terça-feira, 14 de agosto de 2018

"A Sésta", agora e sempre que posso...


A Sésta

Pierrot escondido por entre o amarello dos gyrassois espreita em cautela o somno d'ella dormindo na sombra da tangerineira. E ella não dorme, espreita tambem de olhos descidos, mentindo o sôno, as vestes brancas do Pierrot gatinhando silencios por entre o amarelo dos gyrassois. E porque Elle se vem chegando perto, Ella mente ainda mais o sôno a mal-resonar. 

Junto d'Ella, não teve mão em si e foi descer-lhe um beijo mudo na negra meia aberta arejando o pé pequenino. Depois os joelhos redondos e lizos, e já se debruçava por sobre os joelhos, a beijar-lhe o ventre descomposto, quando Ella acordou cançada de tanto sôno fingir. 

E Elle ameaça fugida, e Ella furta-lhe a fuga nos braços nús estendidos. 

E Ella, magoada dos remorsos de Pierrot, acaricia-lhe a fronte num grande perdão. E, feitas as pazes, ficou combinado que Ella dormisse outra vez. 

Almada Negreiros, in 'Frisos - Revista Orpheu nº1'

Desenho "A Sésta", de Almada Negreiros, 1941, Museu de Arte Contemporânea do Chiado

domingo, 12 de agosto de 2018

Excerto de ...

Sem surpresa num autor que cultivou a aventura e a pulsão de viajar, Stevenson não trocaria o conhecimento que nasce da vadiagem ao ar livre pelo saber livresco. “Basta afirmar o seguinte: se um rapaz nada aprender na rua, é porque não possui a capacidade de aprender. Nem o gazeteiro se encontra sempre nas ruas, pois, se assim o entender, pode percorrer os subúrbios ajardinados até ao campo. Pode sentar-se na margem de um regato, junto a uma moita de lilases, e fumar inúmeros cachimbos ao som da água a rolar sobre os seixos. Um pássaro cantará entre as copas. E talvez aí consiga afundar-se numa corrente de pensamentos gentis e ver as coisas de uma outra perspetiva. Se isto não é educação, o que será?” Excelente pergunta.
O elogio do “gazeteiro” ocioso é, no fundo, o elogio do espírito livre — aquele que recusa fazer parte do “coro dos dogmáticos” e se contenta em apreciar a “vista agradável”, embora “pouco imponente”, a que acede no “Miradouro do Senso Comum”. No fundo, tudo se resume a ter consciência da nossa escassa importância no grande esquema das coisas. “Podemos não gostar de o admitir, mas não existe uma única pessoa cujos serviços sejam indispensáveis.” Nem sequer Shakespeare: se o Bardo tivesse morrido jovem, “o cântaro continuaria a ir à fonte, a foice à seara, o estudante à escola; e ninguém teria dado conta de qualquer perda”. É preciso haver desprendimento para apreciar a instável precariedade da existência. E por isso a verdadeira ociosidade só está ao alcance de alguns. Aos outros, que “não conseguem ser ociosos, [porque] a sua natureza não é suficientemente generosa”, resta passar “numa espécie de coma todas as horas que não dedicam ao frenético lufa-lufa diário”.
Expresso de ontem, José Mário Grilo
Fotografia de Valdemar Ramalho (Vató) !951-2018

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

bom fim de semana


"temos olhos de ver e olhos de não ver. Depende do estado do coração de cada um"

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

As minhas escolhas de Verão -1




Jack Vettriano pintor, escocês, nascido em 1951

terça-feira, 31 de julho de 2018

Vida, vida, acontece quando um homem e uma mulher desejam

Julho acaba . 
Saudades, não me deixa . Questões de saúde. 
Mas... uma vida nasceu quase há um mês, A minha arvore de vida deu-me mais um neto , o Benjamim, que tem um irmão de três anos, o meu amado Gabriel.
Netos, são uma benção da vida .

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Para um amigo , hoje seu dia de anos


Pintura de João Hogan

Evolução

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo 
tronco ou ramo na incógnita floresta... 
Onda, espumei, quebrando-me na aresta 
Do granito, antiquíssimo inimigo... 

Rugi, fera talvez, buscando abrigo 
Na caverna que ensombra urze e giesta; 
O, monstro primitivo, ergui a testa 
No limoso paúl, glauco pascigo... 

Hoje sou homem, e na sombra enorme 
Vejo, a meus pés, a escada multiforme, 
Que desce, em espirais, da imensidade... 

Interrogo o infinito e às vezes choro... 
Mas estendendo as mãos no vácuo, adoro 
E aspiro unicamente à liberdade. 

Antero de Quental

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Museu do Caminho de Ferro


Lá vem ou lá ía ou não chegou a passar o comboio ?

 Não conduzo, Tenho perdileção por comboios. Os de hoje, com algum conforto, fazem as minhas delicias.
Ia da Figueira da Foz para Coimbra, ramal da Figueira. Em miúda ía para Vila Franca das Naves, terra da minha avó, e também de Fausto Bordalo , numa máquina como a que aqui vos deixo, carruagens de 1ª classe forradas com uma coberta de brancura alva, mas que chegava ao destino, Vilar Formoso , escura dos nacos de carvão que entravam pelas janelas . Eu , também. Trabalhei em Lisboa, Cascais /Cais do Sodré, na margem sul, linha do Barreiro/ Setúbal.
A Lisboa , via Oeste, Lisboa/Rossio /Figueira, demorava 4h. Só rápido das Caldas da Rainha até não sei onde...
A CP sempre teve má gestão, penso que havia vontade no tempo de Manuel Queiró como administrador, mas saltou com no governo do PS. Mas toda a falta de financiamento de todos os governos levou ao caos de hoje.

domingo, 22 de julho de 2018

Uma proposta musical

Aguarela de Paulo Ossião

terça-feira, 17 de julho de 2018

João Semedo 1951- 2018


Toda a adjectivação sobre João Semedo faz sentir saudades do Homem.

Generosidade, uma palavra tão grandiosa e tantas vezes ouvida no dia de hoje.
Não será esquecido,João .Pela nossa geração e dos filhos que gerámos e o acompanharam no pensamento e na acção .

segunda-feira, 16 de julho de 2018

domingo, 15 de julho de 2018

Bon Iver - Heavenly Father (Acapella) at the Sydney Opera House, Vivid L...

Porque brincais com o mar em tempo de alegrias ?








O mar enrola na areia
        ninguém sabe o que ele diz 
  bate na areia e desmaia 
porque se sente feliz ....

Nem sempre o mar se sente feliz , nem sempre as pessoas são tementes à sua aparente calma .

Mais uma tragédia em Espinho. E, mais haverá . 


sábado, 14 de julho de 2018

Conversas com a vovó Ana....



Conversas de avó e neto ao longo do paredão de Cascais .

O meu companheiro da alegria .

terça-feira, 10 de julho de 2018

Ate breve ou inté... Pensamento da tarde . Muito balanço ...




Este ano vi mais futebol do que seria suposto. 
Mundial é mundial . E, ver jogar bom entre equipas, qual delas a melhor, mais Ronaldo..., criou em mim um frisson que me fez, umas vezes em companhia outras só , começar a ver um brilho  e alguma" pedagogia", pois sou analfabeta futebolística.
Adoro Bruxelas e Paris . Mais ligada a Bruxelas. 
Revivi momentos de vida . Pensei nas cervejas belgas por mim eleitas mas acabei a noite num pichet de vin rouge . 
E viva a França.

Até um dia destes.
Richard Harris


 Homens e mulheres pela competência e resiliência sabem que podem mover montanhas. 
Aconteceu hoje, o resgate de 13 adolescentes, incluindo o treinador. 
Richard Harris, um ser humano completo. 
Lembraremos também, sempre, se a memória não ficar curta,  Saman Gunan, o mergulhador da armada tailandesa, que morreu em acção de ajuda aos  rapazes,
razão porque tive vontade de passar hoje no meu Mar que esquecido tem andado, para assinalar a vitória da vida . 

terça-feira, 3 de julho de 2018

Leituras e olhares...



Nuvens púrpura da tarde, ide clamar
Que sou vencedor. Acolhe-me, Astro solar
Mestre absoluto, soberano senhor,
Da alma de uma só!

Do livro de R. Kipling, A História Mais Bela do Mundo

Trabalho de Lurdes de Castro, exposta na Gulben

sábado, 30 de junho de 2018

Efeméride, Joaquim Namorado

JOAQUIM NAMORADO 
professor, poeta e combatente contra a ditadura faria hoje 104 anos! É bom relembrá-lo através da sua poesia.

“Abafai meus gritos com mordaças,
maior será a minha ânsia de gritá-los!
Amarrai meus pulsos com grilhões,
maior será minha ânsia de quebrá-los!
Rasgai a minha carne!
Triturai os meus ossos!
O meu sangue será a minha bandeira
e meus ossos o cimento duma outra humanidade.
Que aqui ninguém se entrega
- isto é vencer ou morrer -
é na vida que se perde
que há mais ânsia de viver!”
Joaquim Namorado

João Russo, no FB,  lembrou a efeméride.
 Eu nunca esqueço o Amigo, o homem, o poeta e pintor. 
Figueira da Foz,  onde Joaquim passava o verão, a trabalhar , e a ensinar os " rapazolas "/homens, a ser gente. 
Entre o Café Nau e a sua casinha na Serra , fui feliz e fiz-me mulherzinha.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Leituras breves...

O Sono

O sono que desce sobre mim, 
O sono mental que desce fisicamente sobre mim, 
O sono universal que desce individualmente sobre mim — 
Esse sono 
Parecerá aos outros o sono de dormir, 
O sono da vontade de dormir, 
O sono de ser sono. 

Mas é mais, mais de dentro, mais de cima: 
E o sono da soma de todas as desilusões, 
É o sono da síntese de todas as desesperanças, 
É o sono de haver mundo comigo lá dentro 
Sem que eu houvesse contribuído em nada para isso. 

O sono que desce sobre mim 
É contudo como todos os sonos. 
O cansaço tem ao menos brandura, 
O abatimento tem ao menos sossego, 
A rendição é ao menos o fim do esforço, 
O fim é ao menos o já não haver que esperar. 

Há um som de abrir uma janela, 
Viro indiferente a cabeça para a esquerda 
Por sobre o ombro que a sente, 
Olho pela janela entreaberta: 
A rapariga do segundo andar de defronte 
Debruça-se com os olhos azuis à procura de alguém. 
De quem?, 
Pergunta a minha indiferença. 
E tudo isso é sono. 

Meu Deus, tanto sono! ...
Álvaro de Campos

domingo, 24 de junho de 2018

Os Santos Populares - S. João à moda de Pessoa.

São João

....

Mas, desçamos à terra,
Que, por enquanto, o ceu aterra, 
Porque antes d 'isso mette a morte.
Ha muita coisa desconhecida
Na tua vida.
Tens muita sorte
Em ninguem saber da partida
Que em mil setecentos e dezassete
Tu fizeste à Egreja constituida

Estás, eu bem sei, cansado
com o que a Egreja se intromette
Com tua vida e o teu divino fado.


(e) foi então que, para te vingar
E à maneira de santo, os arreliar
Desceste mansamente à terra
Perfeitamente disfarçado
E fizeste entre os homens da razão
Um milagre assignado,
Mas cuja assinatura se erra
Quando em teu dia, S. João do Verão,
Fundaste a Grande Loja de Inglaterra.
Isto agora é que é bom,
Se bem que vagamente rocambolico

Eu a julgar-te até catholico,
E tu sahes-me maçon.
Bem, ahi é que há espaço para tudo,
Para o bem temporal do mundo vario.
Que o teu sorriso doure quanto estudo
E o teu Cordeiro
Me faça sempre justo e verdadeiro,
Prompto a fazer fallar o coração
Alto e bom som
Contra todas as fórmulas do mal,
Contra tudo  que torna o homem precario.
Se és maçon - eu sou templario.


Esquece-te santo
Deslembro o teu indefinido encanto.

Meu irmão, dou-te o abraço fraternal.


(excerto integro e ortográfico de um poema de Fernando Pessoa, do livro acima mostrado e escrito em 12-0-1919 )

"A Criança Eterna acompanha-me sempre"

(Alberto Caeiro)

sábado, 23 de junho de 2018

Mergulhar, é principio de verão. Aconteceu hoje

"por isso te digo que vou levar-te o mar 
  na concha das minhas mãos, azulíssimo, 
           para que nele descubras o meu nome
entre os seixos os búzios os rostos que já tive ."

Vasco Gato, Búzio

Hoje, para mim começou o verão . 

Verão , é para mim a" doçura" da água salgada , quando nela posso mergulhar e que me liberta das dores de alma e linhas entrelaçadas que cobrem o meu esqueleto. 
Verão, não é excesso de calor... 


Na minha praia, supervisionada por um não nadador, mas um verdadeiro salva vidas, o meu pequeno Gabriel. 

Aos amigos que passam , os poucos que visitava, com gosto e carinho, a minha ausência não é esquecimento, mas só alterações de dia a dia que me consomem alguns prazeres. 
  Breve passarei. Bom fim de semana.

Sorrindo, sorrindo...


sábado, 16 de junho de 2018

O riso e os seus riscos...


Adicionar legenda
O QUE É RISO?


  " Hobbes afirma que este movimento brusco dos pulmões e dos músculos da face é o efeito da «visão imprevista e bastante clara da nossa superioridade perante outro homem» (Da Natureza Humana). Este contraste, vantajoso para nós, faz com que desfrutemos da nossa própria superioridade. Se a infelicidade de outro homem é tão grande ao ponto de nos levar a pensar que também podemos ser infelizes, então deixa de haver fruição da nossa superioridade e há, pelo contrário, uma visão da infelicidade e o riso cessa.
   O cómico deve ser  exposto com clareza (entendo por cómico tudo  que provoca riso: um gesto, uma palavra, uma expressão). A imagem da nossa superioridade sobre outrem deve pela mais ínfima reflexão ser nítida e rápida. Mas essa superioridade sobre outrem deve ser nítida e rápida. Mas essa superioridade é algo tão fútil e facilmente destrutível pela mais ínfima reflexão que se impõe que a visão nos seja apresentada de uma forma imprevista,
   Eis os únicos limites do riso: a compaixão e a indignação.
   Num estado de indignação, pensamos em interesses mais directos e importantes, pensamos em nós numa situação de perigo."
   
Excerto.  DO RISO: UM ENSAIO FILOSOFICO SOBRE UM TEMA DIFICIL

(

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Mundial a rimar com Portugal


A excepção à regra. Nunca vejo futebol . A não ser a Selecção.
Sorte .

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Santo António... e um blogue com 10 anos

Desenho do programa das Festas de Lisboa, 1934. Almada Negreiros - (França, José Augusto (1974), Almada o Português sem Mestre. Lisboa: Estúdios Cor).  
Milagre das Bilhas - Uma jovem ia à fonte com a bilha no regaço, buscar água.  Ao chegar, partiu a bilha e ficou a chorar. Santo António apareceu e perguntou-lhe a razão do seu pranto. Cheio de compaixão, Santo António consertou a bilha.


E...


Tronos de Santo António, 1º prémio, 1952. Calçada do Jogo da Péla, freg. Santa Justa -Arquivo Municipal de Lisboa (foto de António Castelo Branco)
Peças de aspecto popular, os tronos, eram executadas por crianças dos bairros antigos de Lisboa, firmados na devoção ao santo. A quem passava, as crianças pediam um tostãozinho para o santo. Vem o costume, segundo se diz, do peditório que em toda a cidade se fez, por altura do terramoto de 1755, para ajudar na reconstrução da sua igreja. 

Foi nos anos 30, do século XX, que Leitão de Barros, orientador desta tradição, fomentou concursos de tronos e de janelas enfeitadas, nos quais colaboravam as colectividades de cada bairro.

Em pleno século XXI, os tronos continuam a merecer a atenção e admiração popular.

Informação DAQUI

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Ser professor....

"Se não morre aquele que escreve um livro e planta uma árvore, com mais razão não morre o educador que semeia vida e escreve na alma."
Bertolt Brecht
Hergé , visto por Lança Guerreiro, 2016