domingo, 22 de abril de 2018

Caminhando para o dia 25 de Abril.... Quase, quase lá.


João Abel Manta e uma das suas formas de ver o 25 de Abril de 1974

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Dia Mundial do Livro quase aí, mas já há festejos ....

   No âmbito do Dia Mundial do Livro que se festeja dia 23, deixo AQUI um apontamento da razão da sua existência. Coisa recente...
   Resolvi entrar na festa,  partilhando o livro que ando a ler . Apresentações para quê ? O autor é cá da casa, entenda-se o espaço dos livros...
   Tinha registado a dissertação sobre a cor da cidade de Lisboa, na página 15, a qual também tinha e tenho por hábito de chamar "cidade branca", por três razões :
1ª. porque gosto do branco. 
2ª por influencia do filme , como refere MdeC.
3ª por ternura pela cidade que realmente de "branca" tem pouco. 

Passo a transcrever o que tão bem o escritor descodifica, o homem que também me fez aprender a cor "magenta", através da leitura do seu livro, "A Sala Magenta". Cor de que parece muito gostar.

"Quanto à cor de Lisboa, de tons sempre variáveis com o fluir das estações e os caprichos dos sóis e das atmosferas, disponho-me a jurar e a declarar notarialmente que branca não é. Basta subir-se ao miradouro da Senhora do Monte, ali a S. Gens, ou ao terraço do Hotel Sheraton, ou àquele enorme edifício azul que fecha a alameda dom Afonso Henriques nos altos da Barão de Sabrosa, ou mesmo ao humilde convés dum cacilheiro, para poder verificar que a cidade, descontando o grená rugoso dos telhados, varia entre os rosas-suaves, os verdes esbatidos, os amarelos-doces, em milhentas tonalidades que não fazem mal à vista. Lá terá as suas brancuras aqui e além, mas estão preciosamente colocadas, para compor o todo.
   Mas isto dos gostos e de cores, parece que não é para discutir. Já foi, mas agora não é para discutir.

...

O que importa asseverar por agora é que,  ainda que a cor magenta não venha nos dicionários, o que quase a candidata à inexistência, lançada naquela rua, desmerece tanta gritaria e intolerância

Sempre gostei de Lisboa. Uma aprendizagem com o tempo e as circunstancias. Não sou lisboeta, mas quase... De cá para lá e de lá para cá, Lisboa/Cascais, mais a itinerância da vida de professora. E foi a atravessar o Tejo, de cacilheiro, durante quatro anos, e que a partir de Maio eu já me bronzeava e olhava apaixonadamente a partir do exterior do barco, a cidade, o Castelo de S.Jorge. Um enamoramento que por ironia do destino ou dos concursos,  atirou comigo e em boa hora , para a escola da freguesia do Castelo, para uma escola desconhecida de muitos e muito bonita, onde fiquei durante 10 anos. 
  Dali, a cidade não parecia branca, mas "grená rugoso dos telhados".

domingo, 8 de abril de 2018

"musas consentidas" . Uma leitura breve mas gostosa no dia de hoje. Assim era Picasso...



Belissimo artigo que CFA * fez para o jornal Expresso desta semana, Revista, sobre a relação de Picasso para com as mulheres, a sua compulsão feminina, misoginia, e o sofrimento dessas mulheres , consentido . "Viver com ele era difícil, mas sem ele era pior . Com Picasso o mundo era a cores, sem ele reinava o cinzentismo".
Para além da obra pictórica que sempre me arrastou para um outro além, para além de algum tempo de vida com arte e artista que fez parte de um percurso de vida , e porque há sentimentos transversais aos artistas , em qualquer arte, a sua personalidade sempre me aguçou a curiosidade e o desejo de saber mais.
Comecei há tempo a ler uma grande biografia de Picasso que continuou em stand-by ...

Excerto.

Após uma visita de Marie-Thérése a Dora Maar
....
   - Há muito tempo que me prometes casamento - disse-lhe ela tranquilamente . - (Marie-Therése)
Talvez pudesses tratar do teu divórcio .
   Picasso defendeu-se como podia : tinha sessenta e um anos. Já não tinha idade para casar. foi então que apareceu subitamente Dora. Ela queria intervir na discussão, mostrar que a questão do casamento  de Pablo com Marie-Thérèse nem sequer se punha :
   - Mas então Picasso, tu amas-me - dizia-lhe ela.
    Então Picasso, que se sentia intimidado a escolher, aplicou o golpe de misericórdia a Dora e disse-lhe :
   - Dora, sabes bem que a única que amo é Marie-Thérèse , aqui presente ...
    Esta última tirou da declaração do amante a força necessáriaa para dizer a Dora, apontando-lhe a porta:
   - E agora, saia !
   Que se iria passar? Picasso saboreou aquele instante.
    Dora recusou sair.
Marie-Thérèse voltou a pressioná-la.
Nova recusa.
As das mulheres empurram-se violentamente e deram uma bofetada uma à outra.
Mas Marie-Thèrèse, que fazia ginástica e tinha uma musculatura mais desenvolvida, era decididamente mais forte.
   Um empurrão lançou Dora para o patamar e a porta fechou-se com um estrondo.
   E em seguida ?
   Em seguida, nada se passou. Marie-Thérèse, depois de ter  ouvido Pablo dizer-lhe: «Sabes o  quanto te amo», fórmula em que não era avaro, restava-lhe descer, como habitualmente, as escadas do metropolitano, onde se juntava à enchente de passageiros ... Dora voltou para a Rue de Savoiene deitou-se na cama. Choraria durante muito tempo.
No dia seguinte, Pablo telefonou a Dora Maar para o ritual do almoço no Catalan, como se não tivesse passado nada. Mas, no fim de contas, segundo as suas pr´prias palavras, não são as mulheres«máquinas de sofrer»?



...

Eu,  acrescento no dia de hoje, querido Pablo, 45 anos após a tua morte, 8 de Abril de 1973,  meu" monstro" de duplo sentido, que a relação homem/mulher , mudou . Não tanto como o desejado, mas as relações sadomasoquistas e outros sentimentos,  fazem parte da natureza humana ...
Já fiz viagens para ver exposições tuas. Para esta em Londres não dá....  Na minha tão gostosa Tate. Aguardo o catálogo. 


* Clara Ferreira Alves
Imagens do texto na Revista do Expresso.

Excerto do livro PICASSO, de Henry Gidel

sábado, 7 de abril de 2018

"Os que amei onde estão ?"


Hoje, a freguesia de São Miguel do Rio Torto, concelho de Abrantes, homenageou dois filhos da terra. 
Ambos dois bons amigos, mas Fernando Catroga, de muito longa data, assim como sua mulher, a minha mais antiga e única amiga de adolescência, a Ana.  Sou um "bibelot" que de tempo a tempo enfeita a sua casa e partilha emoções. Por isso, não posso deixar passar este dia em branco, no qual também fui atirar o meu foguete. 
Deixo-vos o texto e poema de Antero que Fernando Catroga leu à porta da casa onde nasceu , assim como seu irmão Eduardo. Esta a sua ideia de pertença. Uma pérola.





 Esses que amei

         Pode-se ter dúvidas sobre o sentido da vida, mas elas diminuem quando existe um diálogo sadio com as nossas raízes. A “terra dos pais” é a nossa primeira pátria e alicerce da nossa “Pátria Grande”. E não se pode esquecer que ter pátria é ter memória, pois cada ausente traz consigo, colado à sola dos sapatos, o pó do solo sobre o qual aprendeu a cair, para se levantar do chão e caminhar de novo. E quem fica a amar a terra que o fez nascer nunca sai, verdadeiramente, do sítio de onde partiu.
De certo modo, ele é a nossa “mátria”, significado que a simples, densa e telúrica expressão a “minha terra” bem exprime. Daí que, mesmo nos casos em que esta foi ingrata para muitos dos seus filhos, perdure uma sensação de dívida e de gratidão para com um lugar simultaneamente físico e simbólico, revivificado pela sucessão das gerações, mas também pelas lições de futuro que podem ser bebidas na evocação do melhor do seu passado.
Por tudo isto, ao deambular por estas ruas, e ao olhar para as marcas do tempo inscritas nas rugas das casas e nos rostos de quem as habita, também vejo o invisível, e, seguindo o magistério de Antero de Quental, dou por mim a perguntar:

Os que amei, onde estão? Idos, dispersos,
arrastados no giro dos tufões,
levados, como em sonho, entre visões,
na fuga, no ruir dos universos…

 Mas se páro um momento, se consigo
fechar os olhos, sinto-os a meu lado,
de novo. Esses que amei: vivem comigo,

vejo-os, ouço-os e ouvem-me também,
juntos no antigo amor, no amor sagrado,
na comunhão ideal do eterno Bem.

sexta-feira, 30 de março de 2018

dias a vosso jeito...

Meus dias andam por aí... 
Navegando.

Dias a vosso jeito.

sábado, 24 de março de 2018

Para o fim de semana, dou-vos um verso



O rouxinol não sabe
que o seu canto
é  verde

Alberto Martins

(Rouxinol-do-Japão )

terça-feira, 20 de março de 2018

Dia Mundial Da Poesia - Portugal -




    Portugal
    Eu tenho vinte e dois anos e tu às vezes fazes-me sentir como se tivesse
    oitocentos
    Que culpa tive eu que D. Sebastião fosse combater os infiéis ao norte de
    África
    só porque não podia combater a doença que lhe atacava os órgãos genitais
    e nunca mais voltasse
    Quase chego a pensar que é tudo uma mentira
    que o Infante D. Henrique foi uma invenção do Walt Disney
    e o Nuno Álvares Pereira uma reles imitação do Príncipe Valente
    Portugal
    Não imaginas o tesão que sinto quando ouço o hino nacional
    (que os meus egrégios avós me perdoem)
    Ontem estive a jogar póker com o velho do Restelo
    Anda na consulta externa do Júlio de Matos
    Deram-lhe uns electro-choques e está a recuperar
    aparte o facto de agora me tentar convencer que nos espera um futuro de
    rosas
    Portugal
    Um dia fechei-me no Mosteiro dos Jerónimos a ver se contraía a febre do
    Império
    mas a única coisa que consegui apanhar foi um resfriado
    Virei a Torre do Tombo do avesso sem lograr uma pérola que fosse
    das rosas que Gil Eanes trouxe do Bojador
    Portugal
    Vou contar-te uma coisa que nunca contei a ninguém
    Sabes
    Estou loucamente apaixonado por ti
    Pergunto a mim mesmo
    Como me pude apaixonar por um velho decrépito e idiota como tu
    mas que tem o coração doce ainda mais doce que os pastéis de Tentugal
    e o corpo cheio de pontos negros para poder espremer à minha vontade
    Portugal estás a ouvir-me?
    Eu nasci em mil novecentos e cinquenta e sete Salazar estava no poder nada
    de ressentimentos
    um dia bebi vinagre nada de ressentimentos
    Portugal
    Sabes de que cor são os meus olhos?
    São castanhos como os da minha mãe
    Portugal
    gostava de te beijar muito apaixonadamente
    na boca




    jorge de sousa braga

Escolha de Pedro Mexia, para a efeméride , no Express Diário de hoje. 

segunda-feira, 19 de março de 2018

" ir à feira pela mão do pai e chupar favos de mel"


- O António disse simplesmente: "Tenho boas recordações da minha infância ... O meu pai levava-me à feira pela mão, comprava-me favos de mel e eu chupava-os. É bom saborear  a cera que fica agarrada aos dentes, depois de se chuparem os favos. " 

In,Jornal da Educação, excerto de crónica de João dos Santos

Aprender a ler ,  Maio de 1980

Do meu pai, tenho todas as boas memórias que se pode ter uma uma pessoa infinitamente boa, integra e doce .
Tão doce como algodão doce que me comprava na grande feira que era a de S. João, na nossa cidade . Era.
A doçura de João dos Santos é muitas vezes comparável à doçura de meu pai . 
Um dia destes,   para vosso prazer também, deixo aqui a beleza desta crónica, que toca pai, avós e a aldeia que se teve ou não se tem. A "nossa terrinha". 



Brita e Eu, auto-retrato com uma das filhas (1895), Carl Larsson

sábado, 17 de março de 2018

Pensamento do dia . Fim de semana a vosso jeito.

"O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê. "

Platão

De uma leitura breve no  Expresso de hoje.
Desenho de uma criança. 

quinta-feira, 15 de março de 2018

Dia Mundial do Consumo - a minha escolha , "objectos". Excerto de uma boa leitura ...


A propósito do Dia Mundial do Consumidor, tive vontade de transcrever um excerto do livro que estou a ler de Gonçalo M. Tavares, "UMA MENINA ESTÁ PERDIDA NO SÉCULO À PROCURA DO PAI "
Numa conversa entre Marius e o velho Terezin , que vivia num quarto de hotel .

"Terezin começou por elogiar o pouco peso que transportávamos.
- Há povos que demoram séculos a entender isso - disse ele, e depois riu como se tivesse acabado de contar uma anedota.
 Hanna riu também - quase sempre respondia aos risos dos outros com uma gargalhada.
...
Explicou depois como era fundamental aquela questão do peso.
Eu levava a mochila às costas com as minhas coisas essenciais e com objectos de Hanna, incluindo a pequena caixa com os exercícios para pessoas com deficiência mental. Hanan nada levava.
- Não conheceram o meu quarto, disse o velho Terezin, quando voltarem convido-vos para irem lá. Vão ver - murmurou - como está vazio.
Vou dizer-vos o que existe no meu quarto : um colchão, quatro livros - um deles saberão qual, certamente; e depois ainda uma cadeira, uma mesa de madeira, os lençóis de cama e alguma roupa, pouca. Um outro par de sapatos que quase não usei. E tenho depois quatro pequenos objectos - não  vou dizer quais, peço desculpa ; algumas folhas de papel, umas canetas... e está tudo.
Ao longo destas anos, pode parecer estranho continuou Terezin -, mas o quarto foi perdendo elemento, nada entrou e algumas coisas saíram.

...

 - Vou dizer-lhe - lhe quanto pesa o meu quarto. Já alguma vez pensou nisto? - perguntou-me. - O peso de  tudo o que está no quarto?
E começou a fazer a lista, dizendo alto o peso que correspondia a cada coisa, e escrevendo no papel :

Colchão   - 1Kg
Mesa   - Kg
Cadeira   -2Kg
4 livros    -2,Kg
Objectos vários   -1,5Kg

E no final escrevera:

Eu   - 63kg
....

- Não vale a pena grandes rodeios - disse-nos - , no limite é o nosso peso que está em jogo, é ele que temos de carregar para um lado ou par outro. Quando temos de fugir, podemos ter tempo para pegar num ou outro objecto, mas tal é raro. A rapidez com que se pega no próprio corpo e se foge de um lugar onde a nossa vida está em risco, esta rapidez depende muito do nosso trabalho anterior, de esvaziar o espaço á nossa volta.

...

Claro que numa emergência ninguém quererá carregar  objectos consigo, numa emergência cada um tentará fugir o mais rápido possível ; a questão é o tempo que demora decisão de largar todas as coisas. O tempo que demora esta decisão vai ser determinante - uns vão sobreviver outros não. O tempo de que falo não é medido em minutos, nem em segundos, trata-se de milésimos de;  segundo ; por vezes sobrevivemos, escapamos do lugar onde estamos, porque decidimos num milésimo do segundo correr dali, correr o mais rápido possível, sem olhar para trás; e esta decisão a de correr , a de nos afastarmos de um espaço, se demorar mais um milésimo de segundo pode tornar-se fatal. Pego nas minhas coisas ou não?
....


Pintura, O Quarto de Van Gogh 

Música para nós . Maravilha...


domingo, 11 de março de 2018

Bom domingo. Para e ler... (Herberto Helder )

herberto
(Publico este poema a pedido de uma leitura desta página que, argumentou, que em certas alturas a política lhe causa tédio. E tem razão. Este fim de semana a Dona Cristas têm-nos enchido os horizontes do olhar, e o tédio surge; não por ela ser mulher, mas talvez por ela querer fazer política repetindo e mesmo amplificando todos os vícios que podem ser assacados aos homens. Por isso aqui fica Herberto e a mulher, essa mulher com que muitos sonham mas que poucos almejam encontrar.
Estátua de Sal, 11/03/2018)

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra
e seu arbusto de sangue. Com ela
encantarei a noite.
Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso lúbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.Cantar? Longamente cantar.
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o pão for invadido pelas ondas –
seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes.
Ele – imagem vertiginosa e alta de um certo pensamento
de alegria e de impudor.
Seu corpo arderá para mim
sobre um lençol mordido por flores com água.Em cada mulher existe uma morte silenciosa.
E enquanto o dorso imagina, sob os dedos,
os bordões da melodia,
a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,
desfaz-se em embriaguez dentro do coração faminto.
– Oh cabra no vento e na urze, mulher nua sob
as mãos, mulher de ventre escarlate onde o sal põe o espírito,
mulher de pés no branco, transportadora
da morte e da alegria.
Dai-me uma mulher tão nova como a resina
e o cheiro da terra.
Com uma flecha em meu flanco, cantarei.
E enquanto manar de minha carne uma videira de sangue,
cantarei seu sorriso ardendo,
suas mamas de pura substância,
a curva quente dos cabelos.
Beberei sua boca, para depois cantar a morte
e a alegria da morte.
Dai-me um torso dobrado pela música, um ligeiro
pescoço de planta,
onde uma chama comece a florir o espírito.
À tona da sua face se moverão as águas,
dentro da sua face estará a pedra da noite.
– Então cantarei a exaltante alegria da morte.
Nem sempre me incendeiam o acordar das ervas e a estrela
despenhada de sua órbita viva.
– Porém, tu sempre me incendeias.
Esqueço o arbusto impregnado de silêncio diurno, a noite
imagem pungente
com seu deus esmagado e ascendido.
– Porém, não te esquecem meus corações de sal e de brandura.
Entontece meu hálito com a sombra,
tua boca penetra a minha voz como a espada
se perde no arco.
E quando gela a mãe em sua distância amarga, a lua
estiola, a paisagem regressa ao ventre, o tempo
se desfibra – invento para ti a música, a loucura
e o mar.
Toco o peso da tua vida: a carne que fulge, o sorriso,
a inspiração.
E eu sei que cercaste os pensamentos com mesa e harpa.
Vou para ti com a beleza oculta,
o corpo iluminado pelas luzes longas.
Digo: eu sou a beleza, seu rosto e seu durar. Teus olhos
transfiguram-se, tuas mãos descobrem
a sombra da minha face. Agarro tua cabeça
áspera e luminosa, e digo: ouves, meu amor?, eu sou
aquilo que se espera para as coisas, para o tempo –
eu sou a beleza.
Inteira, tua vida o deseja. Para mim se erguem
teus olhos de longe. Tu própria me duras em minha velada
beleza.
Então sento-me à tua mesa. Porque é de ti
que me vem o fogo.
Não há gesto ou verdade onde não dormissem
tua noite e loucura, não há vindima ou água
em que não estivesses pousando o silêncio criador.
Digo: olha, é o mar e a ilha dos mitos
originais.
Tu dás-me a tua mesa, descerras na vastidão da terra
a carne transcendente. E em ti
principiam o mar e o mundo.
Minha memória perde em sua espuma
o sinal e a vinha.
Plantas, bichos, águas cresceram como religião
sobre a vida – e eu nisso demorei
meu frágil instante. Porém
teu silêncio de fogo e leite repõe a força
maternal, e tudo circula entre teu sopro
e teu amor. As coisas nascem de ti
como as luas nascem dos campos fecundos,
os instantes começam da tua oferenda
como as guitarras tiram seu início da música nocturna.
Mais inocente que as árvores, mais vasta
que a pedra e a morte,
a carne cresce em seu espírito cego e abstracto,
tinge a aurora pobre,
insiste de violência a imobilidade aquática.
E os astros quebram-se em luz
sobre as casas, a cidade arrebata-se,
os bichos erguem seus olhos dementes,
arde a madeira – para que tudo cante
pelo teu poder fechado.
Com minha face cheia de teu espanto e beleza,
eu sei quanto és o íntimo pudor
e a água inicial de outros sentidos.
Começa o tempo onde a mulher começa,
é sua carne que do minuto obscuro e morto
se devolve à luz.
Na morte referve o vinho, e a promessa tinge as pálpebras
com uma imagem.
Espero o tempo com a face espantada junto ao teu peito
de sal e de silêncio, concebo para minha serenidade
uma ideia de pedra e de brancura.
És tu que me aceitas em teu sorriso, que ouves,
que te alimentas de desejos puros.
E une-se ao vento o espírito, rarefaz-se a auréola,
a sombra canta baixo.
Começa o tempo onde a boca se desfaz na lua,
onde a beleza que transportas como um peso árduo
se quebra em glória junto ao meu flanco
martirizado e vivo.
– Para consagração da noite erguerei um violino,
beijarei tuas mãos fecundas, e à madrugada
darei minha voz confundida com a tua.
Oh teoria de instintos, dom de inocência,
taça para beber junto à perturbada intimidade
em que me acolhes.
Começa o tempo na insuportável ternura
com que te adivinho, o tempo onde
a vária dor envolve o barro e a estrela, onde
o encanto liga a ave ao trevo. E em sua medida
ingénua e cara, o que pressente o coração
engasta seu contorno de lume ao longe.
Bom será o tempo, bom será o espírito,
boa será nossa carne presa e morosa.
– Começa o tempo onde se une a vida
à nossa vida breve.
Estás profundamente na pedra e a pedra em mim, ó urna
salina, imagem fechada em sua força e pungência.
E o que se perde de ti, como espírito de música estiolado
em torno das violas, a morte que não beijo,
a erva incendiada que se derrama na íntima noite
– o que se perde de ti, minha voz o renova
num estilo de prata viva.
Quando o fruto empolga um instante a eternidade
inteira, eu estou no fruto como sol
e desfeita pedra, e tu és o silêncio, a cerrada
matriz de sumo e vivo gosto.
– E as aves morrem para nós, os luminosos cálices
das nuvens florescem, a resina tinge
a estrela, o aroma distancia o barro vermelho da manhã.
E estás em mim como a flor na ideia
e o livro no espaço triste.
Se te aprendessem minhas mãos, forma do vento
a cevada pura, de ti viriam cheias
minhas mãos sem nada. Se uma vida dormisses
em minha espuma,
que frescura indecisa ficaria no meu sorriso?
– No entanto és tu que te moverás na matéria
da minha boca, e serás uma árvore
dormindo e acordando onde existe o meu sangue.
Beijar teus olhos será morrer pela esperança.
Ver no aro de fogo de uma entrega
tua carne de vinho roçada pelo espírito de Deus
será criar-te para luz dos meus pulsos e instante
do meu perpétuo instante.
– Eu devo rasgar minha face para que a tua face
se encha de um minuto sobrenatural,
devo murmurar cada coisa do mundo
até que sejas o incêndio da minha voz.
As águas que um dia nasceram onde marcaste o peso
jovem da carne aspiram longamente
a nossa vida. As sombras que rodeiam
o êxtase, os bichos que levam ao fim do instinto
seu bárbaro fulgor, o rosto divino
impresso no lodo, a casa morta, a montanha
inspirada, o mar, os centauros
do crepúsculo
– aspiram longamente a nossa vida.
Por isso é que estamos morrendo na boca
um do outro. Por isso é que
nos desfazemos no arco do verão, no pensamento
da brisa, no sorriso, no peixe,
no cubo, no linho,
no mosto aberto
– no amor mais terrível do que a vida.
Beijo o degrau e o espaço. O meu desejo traz
o perfume da tua noite.
Murmuro os teus cabelos e o teu ventre, ó mais nua
e branca das mulheres. Correm em mim o lacre
e a cânfora, descubro tuas mãos, ergue-se tua boca
ao círculo de meu ardente pensamento.
Onde está o mar? Aves bêbedas e puras que voam
sobre o teu sorriso imenso.
Em cada espasmo eu morrerei contigo.
E peço ao vento: traz do espaço a luz inocente
das urzes, um silêncio, uma palavra;
traz da montanha um pássaro de resina, uma lua
vermelha.
Oh amados cavalos com flor de giesta nos olhos novos,
casa de madeira do planalto,
rios imaginados,
espadas, danças, superstições, cânticos, coisas
maravilhosas da noite. Ó meu amor,
em cada espasmo eu morrerei contigo.
De meu recente coração a vida inteira sobe,
o povo renasce,
o tempo ganha a alma. Meu desejo devora
a flor do vinho, envolve tuas ancas com uma espuma
de crepúsculos e crateras.
Ó pensada corola de linho, mulher que a fome
encanta pela noite equilibrada, imponderável –
em cada espasmo eu morrerei contigo.
E à alegria diurna descerro as mãos. Perde-se
entre a nuvem e o arbusto o cheiro acre e puro
da tua entrega. Bichos inclinam-se
para dentro do sono, levantam-se rosas respirando
contra o ar. Tua voz canta
o horto e a água – e eu caminho pelas ruas frias com
o lento desejo do teu corpo.
Beijarei em ti a vida enorme, e em cada espasmo
eu morrerei contigo.
Leitura do blogue Estátua de Sal

sexta-feira, 9 de março de 2018

quinta-feira, 8 de março de 2018

efeméride ou nem por isso , 8 de Março

QUANDO LÉLIA TRABALHA

Quando Lélia trabalha , a vender o seu corpo ,pagam-lhe pouco ou pagam-lhe com uma sova. E quando rouba , os polícias roubam-lhe o que ela roubou além disso roubam-lhe o corpo. Diz Angélica , dezasseis anos , atirada para a rua da cidade do México :

- Eu disse à minha mãe que o meu irmão tinha abusado de mim , e ela pôs-me fora de casa . Agora vivo com um rapaz e estou grávida. Ele diz que me vai apoiar, caso eu tenha uma menino. Se for menina , não sei.


MULHERES, de Eduardo Galeano
Pintura de Fernando Botero




MÁRMORE QUE RESPIRA

Afrodite foi a primeira mulher despida da escultura grega.
Praxiteles talhou-a com a túnica tombada a seus pés , e a cidade de Cós exigiu que a vestisse . Mas outra cidade , Cnido, deu-lhe as boas-vindas e ofereceu-lhe um templo ; e em Cnido viveu a mais mulher das deusas , a mais deusa das mulheres.
Embora estivesse encarcerada e muito bem guardada , os guardas não conseguiram evitar ainvasão dos que estavam loucos por ela.
Num dia como o de hoje , farta de tanto assédio , Afrodite fugiu .
Mulheres, Eduardo Galeano

terça-feira, 6 de março de 2018

"para que queres cão se não tens pão ? " ou o fungaga da bicharada ...

   Por ser um assunto que me tem passado ao lado , a hipótese de animais de estimação poderem passar a frequentar restaurantes, por estar retida em casa há bastante tempo por questões de saúde muito antipáticas, e por predisposição na noite de ontem para ouvir Pròs e Contras , deixei-me ir até ao fim por aquele paripatético  programa.
   Gosto de animais .   Por ser neta de lavradores e possuidores de vacas leiteiras,  pelo lado paterno, sempre convivi directamente com bois, vacas, porcos galinhas, burros burritos,
Também em casa da minha avó materna, havia cães, galinhas e galos, e uma cabrinha,  que dizem, vinha chuchar no dedo grande do meu pé, quando a minha mãe me punha deitada no chão, de bela perna ao léu . (gostaria de saber se o meu prazer seria o mesma do dito animal ?).... :)
   Lembro-me do rafeiro cão "Pepsodente", que me defendia canideamente das sapatadas da minha mãe. Quantas vezes idealizei que ele me vingasse...
   Virei menina e mulher urbana . Nunca mais houve animais em casa a não ser canários e o recorrente provérbio que continuo a perfilhar, "PARA QUE QUERES CÃO SE NÃO TENS PÃO ? "

   Passaram-se os  anos e um filho surgiu . Com ele, à medida que ía crescendo, alguns animais menores foram passando cá por casa, mas a criança debitava em mim os seus cuidados. Aprendi.
Ao longo da vida privei com pessoas amantes de cães ou gatos, e donos. Relações entre estes bichos,  conheci,  que me faziam imensa confusão . Amores doentios, lutos sem fim , que superava os relacionamentos com os humanos seus familiares. A meu ver e sentir, claro. Aprendi a silenciar mas também a desconfiar e a não alimentar conversas para preservar as amizades...
Desconfiar? Sim, sim. Os donos de cães são tão cegos no amor aos seus animais, que quando se pergunta "morde?", não nunca mordem, ou então aconteceu algumas vezes, mas o bicho continua a passear-se na maior das impunidades  até á próxima dentada. 
   Exemplo. Há uns 12 anos, minha mãe passeava-se tranquilamente com amigos na Nazaré , e um cãozito veio por trás e ferrou-a.  Foi para o Centro de Saúde, os donos do bicho assumiram , e também assumiram que a ´ultima mordidela tinha sido à sogra do Dr. Juíz da Nazaré... Sei , que nunca vi ferida tão feia na vida, demorou meses a fechar  e eu tive quer ir para a Figueira cuidar da minha mãe . Os donos do bicho ainda pagaram os primeiro curativos, depois entraram em calote. Pescadores e safra ía mal.
    Não vos vou falar de pânicos que tive ao encontra-me com cães em ruas desertas por onde tinha que passar e que uma vez telefonei á policia a dizer que queria entra em casa e tinha um pastor alemão á porta. Surrealista. Mas ajudaram-me. (felizmente , esses cuidados de animais á solta a passear, tornou-se raro para os meus lados )
   Resisti ao massacre do meu filho António por volta dos seus 19 /20 anos, que dizia ir trazer um cão cá para casa , de uma raça de  que até gosto muito, Golden Retriver , com veterinário de graça e descontos na alimentação , etc ...  Uma luta. 
   Viver num andar, ir dar aulas cedo para Lisboa, ter já filho na faculdade e eu poder fazer os meus programas pós laboral, ter um cão mesmo de parceria com o António, ir leva-lo a passear de manha , cedo , e pela noite.... Não, gosto de animais ao ar livre, ou com hipótese de nele também poderem viver de parceria com os donos. 
   Também me horrorizam os dispendios com um animal  para manter a sua saúde ou pagar a sua doença . Costumava dizer.... "se ainda a ADSE comparticipasse.... " . Talvez um dia venha a acontecer pela evolução " da humanização dos animais ou vice versa.... 
  Ganhei a batalha cá em casa. Argumentos sem contraditório.
  O António andava na altura a tirar a o seu curso em Tires,  de piloto de LA (PLA) . 
  Disse-lhe : _ Ok. trazes o cão, mas leva-lo para o aeródromo , deixas o animal no carro à tua espera. As condições atmosféricas nem sempre respeitam as horas das aulas de voo. Põe-te no lugar do cão.
Remédio santo. 
Continuo a viver sozinha , não sou egoísta, de modo algum, mas é uma opção e a certeza dos custos de ter um animal . Psicológicos e materiais.
 Talvez um gatinho, um dia, para envelhecer, e que já não dê para me importar com a fase destrutiva das suas unhas felinas . Ou,  então,  um gatarrão de mãos leves e macias e unhas aparadinhas todas as semanas .

  

sábado, 3 de março de 2018

Será sempre dia de festa, faça chuva ou sol ....




Até ontem,  o meu pequeno Gabriel fazia o "V" com os seus dedinhos para dizer que tinha 2 anos. Mas, entretanto foi aprendendo a posicionar os dedos para dizer que hoje já teria 3 anos. 
Netos, são uma benção . Netos, são os filhos do meu filho e da bela mulher que escolheu para mãe dos mesmos e para outros projectos de vida.
Soubesse eu desenhar, sem génio, mas só com algum engenho, à minha maneira, também compulsivamente, pois tenho todo o tempo do mundo, faria como Picaso, que aos 73 anos descobriu o encanto da família e da paternidade, desenhou e pintou os filhos Paloma e Claude , sem parar .



"Il faut être enfant tout sa vie
tout en ètant un homme"
Matisse

sexta-feira, 2 de março de 2018

"Para todas as vossas enfermidades, dou-vos risos."

O que aflitivamente falta no mundo actual é grandeza, beleza, amor, compaixão e liberdade. O tempo dos grandes indivíduos, dos grandes líderes e dos grandes pensadores já passou. No seu lugar estamos a criar embriões de monstros, assassinos, terroristas: a violencia, a crueldade e a hipocrisia parecem inatas. Quando invocamos os  nomes de figuras ilustres do passado tal como Péricles, Sócrates, Dante, Abelardo, Leonardo Da Vinci, Shakespeare, William Blake, ou até do louco Ludwig da Baviera , esquecemo-nos de que mesmo nos tempos mais gloriosos havia inacreditável pobreza, tirania, crimes, inomináveis, os horrores da guerra, malevolência e traição. Bem e mal, fealdade e beleza, o nobre e o ignóbil, esperança e desespero. Sempre. A não coexistência destes extremos naquilo a que chamamos um mundo civilizado parece impossível.
   Se não podemos melhorara as condições em que vivemos podemos pelo menos oferecer uma saída imediata e indolor. Há saída através da eutanásia . Porque é que não é oferecida aos milhões de desesperados e miseráveis para quem não há qualquer hipótese de desfrutar nem sequer de uma vida de cão? Não pedimos para nascer - então porque deve ser-nos recusado o privilégio de sair quando as coisas se tornam insuportáveis? Temos de esperar que a bomba atómica nos liquide a todos em simultâneo ?



 Não quero acabar num tom amargo. Como os meus leitores bem sabem, o meu mote tem sido sempre este: "Sempre alegre e brilhante". Talvez por isso nunca me canse de citar Rabelais : "Para todas as vossas enfermidades, dou-vos risos."

Excerto do belo e pequeno livro de Henry Miller, Viragem aos Oitenta . Um pequeno livro que amo.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Uma escolha de leitura no dia de hoje


DO QUE ANDO A LER
"O que o país quer é um candidato que não se deixe ferir por investigações ao seu passado, para que aos inimigos do partido seja impossível desencantar uma história que não seja de todos conhecida. Se, à partida, se souber o pior acerca de um candidato, todas as tentativas de o surpreender serão derrotadas. Eu vou entrar em jogo como um livro aberto". O país é os EUA, o autor Mark Twain, o ano: 1879. "Um candidato idóneo", de Mark Twain, é um satírico e delicioso livro sobre a política e os EUA de há mais de um século que mostra como há traços que se mantêm. Alguns textos são biográficos, outros sátiras publicadas em jornais da época e ainda um inédito, escritos entre 1867 e 1887, ainda antes de Twain, célebre criador de Tom Sawyer e Huckleberry Finn, se ter dedicado de corpo inteiro à literatura. Foi jornalista, tipógrafo e ainda teve uma breve incursão pela política. É essa experiência, quando tinha 30 e poucos anos, que testemunhamos. Mark Twain conta como são os vira-casacas nos partidos (ele próprio trocou um candidato do Partido Republicano pelo do Partido Democrata), os "boys" ou as técnicas para não responder aos eleitores (que não soube cumprir quando foi secretário particular de um senador, acabando, claro!, por ser despedido). "Assim que eu tiver terminado o meu inventário de todos os funcionários que há nos vários departamentos, com a descrição das suas funções e o que recebem por elas, verão que não há nem metade dos funcionários que fazem falta, nem os que existem recebem sequer metade do que lhes é devido", conta, por exemplo. Semelhanças com a realidade?a minha leitura do Expresso curto de hoje, a minha escolha.

"
Cronista, Helena Pereira 
A minha escolha no Expresso Curto de hoje