quarta-feira, 24 de maio de 2017

por aqui, há mar e mar e areia sem fim....


O que eu andei para aqui chegar , ó mar.
E , mesmo assim não te alcancei.
Talvez um destes dias , com a força do vento,  ele me empurre para te ver e procura a improvável  estrela do mar...

(as minhas fotografias na praia da Figueira da Foz)

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Sinais de vida...

CARTA A UMA AVÓ

Avó
o céu está muito azul
como o meu olhar

e o sol muito amarelo
como o meu cabelo

e eu estou a ver uma cerejeira
com um ninho de passarinhos
e uma gaivota
com umas grandes asas abertas

a tua casa
avó
é uma cerejeira
com um ninho de passarinhos.

AF (surripiado a Ana de Freitas ) FB
Fotografia de Luisa, mordomias, Gi Ribeiro

sábado, 13 de maio de 2017

Bom fim de semana...

Francis Bacon, estudo segundo Velasquez, para o retrato do Papa Inocêncio X (1953)
Ah, Inocêncio , Inocêncio, que de inocente não tinhas nada...
Eu gosto mesmo é de Sir Francis Bacon

sexta-feira, 12 de maio de 2017

"copo e vela dez tostões"... a treze de Maio na Cova da Iria.... (desabafos)

 Nas redes sociais brinca-se muito com Fátima . Até entrámos de novo na fase do F/f/f …. E eu apetece-me gritar f….  se,  para tantos humoristas, filósofos e jornalista, professores e escritores  e outros escribas, acrescentando aos leitores, comentadores, onde também me incluo. Mas, desta, sobre o tema,  só leio. Daí a vontade também de escrever.
Respeito as pessoas de fé, e corroborando as palavras de Frei Bento, ai de mim criticar ou pôr em causa o que leva as pessoas a fazer determinado tipo de promessas. A exploração das mesmas, é outra história.
Fui católica por tradição, e aos 15 anos saí para uma vida laica, ateia com o crescimento  e com enorme “inveja” dos homens/mulheres de fé, cujo mistério não me tocou.
Procurei sempre as explicações da vida na razão e nos humanos.  Estes últimos , também tão imperfeitos, e a caminho da” imortalidade” graças  à ciência e à tecnologia , são uma enorme fonte de decepção. E se acontecer, serão Homens?
 Mas há gente boa, muito boa, felizmente.   
Como dizia um publicista brasileiro “as únicas pessoas sem fé são que que têm saúde”.
E veio-me à memória José Afonso, o nosso Zeca, que nos fins de sua vida se agarrou a Santa Teresa d`’ Ávila e a Santo Agostinho.
A vida, desde que me lembro dela em concreto, não me deixou passar muitas coisa ao lado, no que se relaciona com Fátima.  Sou de uma cidade, Figueira da Foz, onde fins dos anos 60 /70, nesta data,  saíamos á rua depois de jantar para ver as centenas de autocarros com peregrinos, que no regresso ao norte, pernoitavam na cidade.
E o que sentíamos como um “folclore” ? A ocupação da cidade por autocarros e peregrinos, as botijas de gás que acendiam os fogões de dois bicos para cozinhar, todos os artefactos de cozinha, cobertores para dormir no chão e na relva do nossos jardins públicos,  e as senhoras que alugavam quartos para os que,  com mais possibilidade,  podiam dormir no conforto de uma cama limpa mais banho. Uma forma de subsistência, num país de fracos recursos e próprio de uma cidade que já vivia da época balnear.
Fui a última vez a Fátima tinha eu 18/9 anos. 
Já tinha ido mais vezes em excursões do liceu e a casamento. Era hábito , quem podia, casar em Fátima .
 Faz precisamente amanhã  47 anos que o  1º dia de trabalho sazonal como guia turística, na empresa AVIC, foi a Fátima. Os clientes eram ingleses, classe média, média baixa, “from” Manchester e Liverpool.  Foi precisamente a Fátima.
Quadro mais surrealista, não poderia ter acontecido na minha vida. Ainda não sabia o que era o surrealismo, ouvia falar dele, nem conhecia H. Bosch . Seria o Marrocos de que se falava nos anos 60? Talvez. Mas o comportamento e a sujidade foram aterradores.  A pobreza, a do país. A fé, a das desgraças que acontecem a cada um ou que se não desejassem que acontecesse.
A ida a Fátima, era roteiro de sábado depois de almoço.  Numa outra viagem , aonde decidi que os clientes teriam 2h para conhecer e “sentir”, foi a última que saí do autocarro.
Deparei -me com rapariguinhas jovens, grávidas, internadas em instituições religiosas de freiras/madrastas, que as faziam andar de joelhos á volta da capelinha das aparições, a penitenciarem-se do pecado …  Fiquei horrorizada.
Daí para a frente evitei ir a Fátima fazendo-me substituir por um guia espanhol, muito católico e que estimava muito a minha mãe como reputada funcionária da Biblioteca Municipal.
Sou da geração das Mães que lhes roubaram os filhos para a guerra colonial. Regressar ou não, era sempre uma dúvida . Regressar são, era outra dúvida . Daí as promessas, as caminhadas a pé a cumprir as suas promessas.  Um horror no sofrimento permitido pela igreja .
Era miúda quando o Papa Paulo VI veio a Portugal. Também aterrou  em Monte Real e passou pela Figueira.  Foi uma loucura.
Porquê criticar o ênfase dado pela  CS  desta vinda do Papa Francisco a Portugal ? Há tantos outros canais alternativos e algumas estações de rádio com boa música. ..
 Quantos “Franciscos” encontraram na vossa vida como este ? Eu, só encontrei “francisquinhos”, e,  esses meninos , e meus alunos.
Fui ver o filme/documentário Fátima de João Canijo. Gostei bastante . E ainda ontem comentei á mesa. É uma peregrinação que  quem assiste,  faz durante 2 h e tal, mas onde o país real e as idiossincrasias do ser humano estão lá quase todas .
No fim,  já em sentimento “beato”, beijam-se e abraçam-se e perdoam-se.
Fez-me lembrar outras situações de grandes encontros comunitários /partidários, onde cá fora se “apunhalam”, e lá dentro, em festa,  são todos companheiros e camaradas.  É a fé ….
É um filme   hiper realista 
Para finalizar este desabafo que tinha comigo há dias, o poeta Tolentino, numa das suas crónicas desta semana no Expresso, ao definir etimologicamente a palavra “Papa”, pai, falou da nossa enorme” orfandade de pai”. E na verdade estamos órfãos de boas referencias.  Por isso Francisco se tornou um fã de várias religiões, e de pessoas improváveis.

-------------------------------------------------------------------------------------------

( quando era miúda, ia  com a minha avó , no mês de Maio, à procissão das velas que se fazia na aldeia. Adorava aquela mística da vela acesa dentro de um copo de papel , e ouvir vendedores gritarem, “copo e vela dez tostões”… )

E… para todos os que fazem anos hoje e amanhã, “parabéns a você”… É que os há e eu conheço.

Fotografia do filme "Fátima", Rita Blanco e a outra menina que me desculpe, não fixei o nome.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Os amigos de Baptista Bastos falam mais alto ... (1934-2017)

POEMA PARA OS MEUS AMIGOS
Virar a cabeça
não é resguardar
*
(amigos)
*
nem ver as pessoas
é vistoriar
*
Sedenta é aquela
que olha uma montra
no fundo dos olhos
reparem
está morta
*
os outros passeiam
com ar de enganados
*
Verdade é aquele
com a fome
no fato
*
Virar a cabeça
não é reparar
*
(amigos)
*
nem ver as pessoas
é vistoriar
*
O chão tem os
anos
e a área dos meses
*
e a morte é um fruto
com raiva nos dentes
*
Reparem
no choro que nos deram
no berço
*
verdade é a Hístória
com arado
e semente
*
Virar a cabeça
não é confrontar
*
(amigos)
*
nem ver as pessoas
é vistoriar
*
Tem o povo as mãos
pregadas na terra
*
Se um dia as recolhe
são armas de guerra
*
que o pão
 é feitio que o corpo
ai toma
*
e verdade é no peito
uma bala sem lógica
*
Virar a cabeça
não é perguntar
*
(amigos)
*
nem ver as pessoas
è vistoriar
*
Dobrada lava a mulher
o chão
de toda uma casa
*
que os braços
não lavram milho
com as espingar quebradas
*
questão de vício
ou vencer
*
questão de força
*
Reparem
*
há um clima
de raiva
com armas que não disparam
*
Virar a cabeça
não é transformar
*
(amigos)
*
nem ver as pessoas
é vistoriar
*
("Cronista não á Recado" - 1967)

Fotografia de Alfredo Cunha 
Poema de Teresa Horta  ( poema dedicado aos amigos e um dos preferidos de BB ), em FB

domingo, 7 de maio de 2017

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Leituras breves mas profundas

"É dele ( Nuno Brederode dos Santos) uma frase de que me apropriei: não te esqueças que a indignação é um espasmo de inteligência."

 
Egon Schiele, "auto-retrato"

Palavras de Luís Osório no FB.
Eu. também admirava o que lia de Nuno Brederode. Já lá vai bastante tempo.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Dia Mundial da Liberdade de Expressão

"Reflita por um minuto neste começo do dia na importância que tem uma imprensa forte, livre e de qualidade para que os nossos dias (os meus e os seus) corram melhor. Veja e ouça António Guterres falando sobre o assunto, repare nesta notável coleção de cartoons e anote o que está a ser preparado no mundo. Não perca o que o investigador dinamarquês Flemming Rose escreve sobre como a (nossa) Europa corre o risco de precipitar no abismo o sistema que garante a liberdade de expressão (sabia que na Turquia há mais jornalistas presos que em qualquer outro país do mundo – um terço do total – incluindo China, Coreia do Norte e Cuba?). As notícias são sombriasEduard Snowden, o homem que denunciou a espionagem da NSA e agora vive na Rússia, vai ser entrevistado hoje aqui. E, por favor, não se esqueça que só em 2016 morreram 57 jornalistas no exercício da sua profissão. Porque o jornalismo importa."






segunda-feira, 1 de maio de 2017

1º de Maio de 1974

Ler aqui biografia, a ícónica Drª Cristina Torres

Uma memória a preto e branco. 
Tinha 23 anos e deveria ser a única pessoa que andava a comemorar o dia 1º de Maio por Belém, mão na mão, por que pegaram nela. Tristeza espetada no rosto. Enquanto uns gritavam , eu, silenciava por ali. Havia sol.
O artista achava que havia mil formas de festejar este dia, ele escolheu a beira rio em liberdade e processo criativo .  Processo que se não podia misturar com as massas. Nóias que nunca dão bom resultado. E assim foi.