terça-feira, 28 de abril de 2015

Olhares


Mais triste é termos de nascer e morrer
e haver árvores ao fim da rua

Ruy Belo, A Mão no Arado