terça-feira, 10 de março de 2009

France Gall, 1965

video

Bonecas...



















Ao que parece a BARBIE fez cinquenta anos!
Eu também já os fiz , e não teve assim tanto impacto!...
Eu nunca gostei desta boneca. Sempre a achei muito estilizada e sofisticada. .. meia tonta, mas era a delícia da criançada!
Quando os meninos vinham das suas férias de natal, a invariavel pergunta:-" o que deu o Pai natal?-
Elas, "uma Barbie professora!"
Eles, "Playstation"...
Gostava mais de bebés chorões, redondinhos, bochechudos e moldáveis ao corpo de quem os pegava fazendo apelo ao instinto maternal.
Nunca tive muitas bonecas!
A minha memória leva-me até à boneca de pedra à qual eu dava verdadeira força anímica! O instinto e o lúdico estavam lá!
As bonequinhas de papel para recortar, despir e vestir… sempre foram fonte de perdição! Penso que algumas amigas vão gostar de as recordar!
Et voilá!

O gato siamês de Picasso


Tem um gato siamês qu fixa a objectiva com a mesma atenção que o pintor. Ambos sabem que são momentos como este que eternizam as imagens de quem as povoa e anima…
Há nos seus olhos a marca de uma solidão ansiosa que talvez só os seus
gatos se atrevessem a tentar perceber, já que muitas foram as mulheres que falharam nessa tentativa.
Os olhos de Picasso assemelham-se aos olhos do seu gato, porque são grandes e enigmáticos,
interrogando o mundo e os seus sentimentos a cada passo , sofregamente….

Fernande Olivier, uma das suas paixões dessa época, escreveu que Pablo tinha em casa dois gatos, um cão e um macaco….
… percebe-se que estes animais de companhia sabiam mais sobre a sua luta com as cores e com as formas, em fase crucial de desconstrução e de criação, do que qualquer um dos seus amigos ou das suas amantes, pois, tal como ele, viviam no assombroso e não verbalizável território dos instintos.”

Excerto de texto do Livro Amados Gatos de José J. Letria
(como já aqui tinha dito ,pontualmente transcreverei passagens do livro Amados Gatos,por achar os textos de deleite literario entre os gatos eos seus donos...)




Da minha janela...

Há dias, em que da minha janela, virada a poente, o meu tempo pára e o meu espírito flui...
Ontem , foi assim e sei que outros dias asim virão ! Prenúncio da primavera.