terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Um ano que acaba. Amanhã acordem como vos der mais jeito, com ou sem rituais cumpridos...


Vivo retirado do mundo
Desfrutando o silêncio da solidão
Corro o ferrolho da minha porta
E tapo a minha janela com raízes e fetos.
O meu espírito vibra com a primavera:
No fim do ano trago o outono no coração.
Assim, imitando os movimentos cósmicos
A minha choupana converte-se num universo.

poesia de Lu Yun


De revista EGOÍSTA DE DEZEMBRO. Uma compra à vossa consideração para o Novo Ano...

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

domingo, 29 de dezembro de 2013

Decrescendo...

                                      "   Esperando", de Federico Zandomeneghi, 1891

Boa noite. Eu vou com as aves.

Eugénio de Andrade.Poema a Mãe

sábado, 28 de dezembro de 2013

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Quase fim de ano de 2013....

                                        Trabalho de Norman Rockwell, 1944

Se Deus quiser hei-de morrer 
        com tudo feito e por fazer.

Rui de Carvalho, Diário
                       

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Manhã de Natal de outros tempos.... Dia feliz.

"A manhã de Natal". de Carl Larsson, 1894

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Festas ou momentos felizes. Até para o ano de 2014... Não se vão embora que eu apareço...


Trabalhos de Carl Larson, 1885, em Estocolmo. Nesta época do ano é com ele que gosto de vos desejar o melhor.
Até para o ano de 2014. Dele, teremos muito que falar...

domingo, 22 de dezembro de 2013

Ainda o mar... mas mais calmo...

 Ainda a propósito de coisas do mar, quando o meu filho era pequeno e sentido os perigos "da besta", dizia-me:- Ó mãe, eu quero um mar pequenino , só para mim, para eu brincar...
Fotografia de Pedro Cruz
Pintura de Carl Larson, pintor sueco, 1885

"festas" trágico-marítimas ou suicídios coletivos? (continuação do post anterior)


                                                                   Fotografias de João Viana

No post anterior falei-vos do pequeno veleiro que saiu ontem à revelia da  barra do porto  da Figueira da Foz,  que estava encerrada. Felizmente o barco foi devidamente identificado. 
João Viana, o fotógrafo das tragédias trágico- marítimas e dos mais lindos entardeceres, onde nem sempre "a calma é serenidade", enviou-me atempadamente as fotos que podem mais uma vez justificar o  "suicídio" de mais um grupo de pessoas , com podem mais uma vez ver (AQUI).
Perdoem-me, mas de momento lamento os que têm por trabalho procurar quem se recreia na intempérie. Os jogos náuticos , são estivais.
*** ACABO DE OUVIR QUE ERAM AMIGOS QUE SE RECREAVAM, PESCANDO.
NÃO INVALIDA O QUE PENSO

sábado, 21 de dezembro de 2013

Uma sequência sem lógica, mas...

Há uma certa incoerência deste post com o anterior, mas esta "casa" foi feita para n
ão ter sentido, mas de quando em quando algum propósito.
Hoje o propósito, tem a ver com o ontem. O Mar. De vagas e vagalhões...
A incoerência, o desrespeito pela própria vida e da vida dos outros... Os outros, esses que têm que os encontrar mais mortos do que vivos.
Este molhe é muito largo, mas as ondas monstruosas... Passam de um lado ao outro. E, mesmo assim, à revelia da lei  e do perigo mortal, eles , os doidos, os "Kamicazes" da vida, lá vão pensando que passam entre os "salpicos" das ondas.
Ao mesmo tempo, saía um pequeno veleiro, de barra fechada, perseguidos pela PM, mas em vão, estes não podem sair a barra. Tenho esperança que o João Viana me mande essa fotografia, terrivel, dantesca, para convosco partilhar.
Esta imagem explica, muitas mortes estúpidas, tais como as dos 6 jovens desaparecidos no Meco.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Encontros entre a Natureza e o Homem.... Leituras breves, olhares profundos


Uma natureza morta com doces e barros, de Josefa d' Óbidos (1676), posicionam-se evidentemente do lado da exaltação da comida  e da culinária como encontro entre a Natureza e o Homem.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Angústia... uma palavra que nos vai acompanhar neste findar de ano.... para o próximo, encontraremos outro adjetivo

                                                        "Angustia" de Paul Klee

Esta Velha Angústia
Esta velha angústia, 
Esta angústia que trago há séculos em mim, 
Transbordou da vasilha, 
Em lágrimas, em grandes imaginações, 
Em sonhos em estilo de pesadelo sem terror, 
Em grandes emoções súbitas sem sentido nenhum. 

Transbordou. 
Mal sei como conduzir-me na vida 
Com este mal-estar a fazer-me pregas na alma! 
Se ao menos endoidecesse deveras! 
Mas não: é este estar entre, 
Este quase, 
Este poder ser que..., 
Isto. 

Um internado num manicômio é, ao menos, alguém, 
Eu sou um internado num manicômio sem manicômio. 
Estou doido a frio, 
Estou lúcido e louco, 
Estou alheio a tudo e igual a todos: 
Estou dormindo desperto com sonhos que são loucura 
Porque não são sonhos. 
Estou assim... 

Pobre velha casa da minha infância perdida! 
Quem te diria que eu me desacolhesse tanto! 
Que é do teu menino? Está maluco. 
Que é de quem dormia sossegado sob o teu teto provinciano? 
Está maluco. 
Quem de quem fui? Está maluco. Hoje é quem eu sou. 

Se ao menos eu tivesse uma religião qualquer! 
Por exemplo, por aquele manipanso 
Que havia em casa, lá nessa, trazido de África. 
Era feiíssimo, era grotesco, 
Mas havia nele a divindade de tudo em que se crê. 
Se eu pudesse crer num manipanso qualquer — 
Júpiter, Jeová, a Humanidade — 
Qualquer serviria, 
Pois o que é tudo senão o que pensamos de tudo? 

Estala, coração de vidro pintado! 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterónimo de Fernando Pess
o
a

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Corta aqui e aumenta ali. Assim será 2014

                                                  \Jimmy Durante and Buster Keaton, 1933

Justificação, por uma vez ...

Por uma vez justifico a mudança de logótipo do Mar à Vista.
A enorme e bela onda que lá estava, uma das muitas ondas de João Viana, aqui na Figueira da Foz, passou-me a incomodar desde o dia em que os jovens perderam a vida na praia do Meco.
Juventude que constrói castelos na areia e pensa que o mar não os desfaz...
Ainda hoje, na minha proveta idade, dou comigo a pensar como fui tão ousada nas ondas do mar da minha terra. Só podia ser da juventude e da ousadia , da falta de consciência,  que com o mar não se brinca mesmo... nem à beirinha.
Jovens que não vivem e pais que irão morrendo lentamente.

Esta fotografia foi tirada há dias na praia do Estoril, onde este "contrutor" de sonhos, um checo e sua companheira, estão acampados durante o dia e em dias de sol... Uma alegria!

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

"Mar à Vista", sempre com vista de mar...


Hoje, na Figueira da Foz, na senda do "raio verde"...

domingo, 15 de dezembro de 2013

Esqueci-me que neste Mar navego há 5 anos... O tempo voa e muita água correu neste "rio"...



Blogue Mar à Vista nasceu há 5 anos de uma brincadeira a atirar  para o sério...
A "brincadeira" passou, mas "sério" ficou,   até que dure.
Cinco anos, cinco sentidos.
Só com eles bem apuradinhos eu pude continuar por aqui apesar de alguns temas desaparecidos porque os  passei a considerar desinteressantes e cansativos. Todas as que terminam em "ismos".
Espero que os navegantes deste Mar, não enjoem. Passem quando quiserem e  se lembrarem...
Aos virtuais (conhecidos e aos menos conhecidos) mas sempre e gentis. Aos amigos reais e outros nem tanto..., aos inimigos, que também os há., e teimam em passar... , há sempre Mar à Vista com vista de mar.

Pintura de Ronaldo Mendes, pintor de Minas Gerais.
Escolhi uma pintura sua porque gosto e porque muitos destes posts foram feitos no Rio de Janeiro.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Fim de semana na alma e na mala... (ambas têm as mesmas letras...) que seja bom, para vós e para mim...



Os publicitários , dizem que nesta altura do ano têm que criar capas de revistas, com positivismo, humor e "glamour". Desejo-lhes momentos felizes na criação. A vida anda a preto e branco e este último a desmaiar.

(imagens recolhidas no P2)

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Bule Aniki-Bóbó... Um suspiro de beleza...

Bule Aniki-Bóbó , da Vista Alegre, edição limitada, 1000, para comemorar os 105 anos do CINEASTA português, Manoel de Oliveira. Aconteceu ontem.

Ainda na semana passada tinha feito os seus 94 anos...




1ª vez que ouvi falar em Nadir Afonso, teria os meus 20 anos . Nessa altura regressou à sua terra natal, Chaves, com uma exposição que antes de ser inaugurada já tinha tudo vendido. Tudo por 400 contos. Era muito dinheiro em 71 ou 72 do séc. passado.
Depois porque com o tempo aprendi a gostar do se trabalho, também em comum a nossa perdileção por Cascais... Quase vizinhos e muitas vezes o vi.

Os temas detes trabalhos são todos sobre Cascais. O túnel, une o paredão do Estoril/ Cascais ao Parque Palmela. Merece ser visitado.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Já chove... e eu sem ti...

                                       "Femme Couche" do escultor Fenosa, 1939

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Este gato tem dono, o João...Outros há que gostariam de ser donos deste gato...


Dali tinha o desesperante costume de projetar gatos no ar para depois os poder fotografar, em pose surreal, ou seja, sem terem qualquer hipótese de chegarem inteiros ao chão. No fundo, ao contrário de Picasso, Dali não gostava de gatos, e fazia gala nisso. E Gala também, essa que já fora mulher,  e musa de Éluard, poeta que gostava de gatos e de cantar a liberdade como se cantasse a mais esplendorosa das amantes.
Sabe-se que um dos gatos, lançado no ar como um projétil de uma guerra a fingir, se viu subitamente apetrechado com um belo par de asas que lhe permitiram esvoaçar, triunfal, sobre a cabeça de Salvador Dali i Domènech, conde de Púbol, bufão de todas as cortes do génio, publicitário de si mesmo, arlequim do excesso e da estonteante violência das cores.

                                                         Fotografia de João Viana

...
De José Jorge Letria, em AMADOS GATO (EXCERTO)

Fotografia Dali Atomicus

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Leituras breves...

Atlântico

Mar, 
Metade da minha alma é feita de maresia.

Sophia de Mello B. Andresen
Fotografia de João Viana

domingo, 8 de dezembro de 2013

Decrescendo na coloração... outono quase findo...


Uma bebedeira colorida... É assim no meu jardim de eleição, mesmo aqui à porta de casa.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Bom fim de semana... Ou o Dia em que antes festejávamos como o "da Mãe"... (8 de dezembro)



      PASSAGEM DAS HORAS
    Trago dentro do meu coração,
    Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
    Todos os lugares onde estive,
    Todos os portos a que cheguei,
    Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
    Ou de tombadilhos, sonhando,
    E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.

    ... ....
    Poesia de Álvaro de Campos

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

"o que será de nós sem o nosso pai? " Pai, libertador, lutador, sonhador, Madiba...

Um CRISTO negro visitou 
a terra
braços abertos
sorriso calmo
alma lavada
e a cruz à sua espera

roubaram-lhe
vida conforto
dias de luta desejada
o pôr do sol austral
(só não lhe roubaram liberdade)

e ainda veio a tempo
(sobrou-lhe idade)
para acender na escuridão o seu sinal
para viver os seus amores, tantos
e deixar o seu olhar sereno
num terno abraço à humanidade

quem dera que tenha adormecido
a sonhar com anjos de todas as cores


Poema comentário ao post anterior vindo da boa amiga ERA UMA VEZ... que connosco conversou em dia de inspiração pelos motivos óbvios.

Ed ByersArte 

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Presentinho...

António Aragão.
Um Buraco Na Boca, 1971.
                                                   Desenho original de Lagoa Henriques

Será mesmo para entender?

Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras.

Clarice Lispector

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Por aqui, só as leituras breves me animam. É tudo tão cansativo...

Nos teus olhos altamente perigosos
vigora ainda o mais rigoroso amor

Alexandre O`Neill, em um Adeus Português