terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Luísa Dacosta, 1927-2015


Luísa Dacosta nasceu em 1927, em Vila Real de Trás-os-Montes. Formou-se na Faculdade de Letras de Lisboa, em Histórico-Filosóficas. 
Mas as suas "Universidades" foram as mulheres de A-Ver-O-Mar, que murcham aos trinta anos, vivem e morrem na resignação de ter filhos e de os perder, na rotina de um trabalho escravo, sem remuneração, espancadas como animais de carga (- Ele não me bate muito, só o preciso) e que, mesmo afeitas, num treino de gerações, ás vezes não aguentam e se suicidam (oh! Senhora das Neves! E tu permites!) depois de um parto, quando o mundo recomeça num vagido de criança! Ás mulheres de A-Ver-O-Mar "Deve" a língua ao rés do coloquial.
Foi professora do ciclo preparatório e alguma coisa deve também aos alunos: o ter ficado do lado do sonho. Isso a tem motivado a escrever para crianças.


Dois poemas de Luísa Dacosta

Entretenimento

Como quem procura conchas à beira do mar,
escolho as palavras para te dizer,
quando o silêncio dos teus braços
vestir o frio dos meus ombros.



Apelo

Atravessa os campos da noite
e vem.

A minha pele
ainda cálida de sol
te será margem.

Nas fontes, vivas,
do meu corpo
saciarás a tua sede.

Os ramos dos meus braços
serão sombra rumorejante
ao teu sono, exausto.

Atravessa os campos da noite
e vem.

A Maresia e o Sargaço dos Dias, Porto: Edições Asa, 2002

4 comentários:

Carmem Grinheiro disse...

Perdas que sabemos inevitáveis, o que não as torna menos trágicas. Restará a obra, essa imortal.

bj amg

Majo disse...

~
~ ~ Uma vida dedicada à criatividade e arte de bem escrever.

~ ~ Muito divulgou e dignificou a Língua Portuguesa.

~ ~ ~ Abraço amigo. ~ ~ ~
.

Graça Pires disse...

Fiquei triste quando soube da morte da Luísa Dacosta. A sua obra permanecerá para sempre.
Um beijo, amiga.

heretico disse...

beijo.


poetisa de primeiríssimo nível.