terça-feira, 4 de julho de 2017

PARA NASCER, POUCA TERRA; PARA MORRER, TODA A TERRA ( Alexandre O´Neill ) (1)

Em Portugal, nunca deixamos cair um objecto: ele é que nos escapa das mãos. E, claro, a culpa não é nossa. Aliás, neste país vale tudo no jogo das relações entre as pessoas , menos ter culpa. Ou, melhor dizendo, da culpabilização fazemos nós uma arma. De um modo geral, podemos afirmar que , dentre as várias maneiras de  dividir a sociedade, uma delas é em culpados e não culpados. De quê, não se sabe bem. Pode nascer-se culpado sem que forçosamente se acredite no pecado original; è admissível que se morra sem culpa, apenas porque sim.
«A culpa não foi minha!», dirá a empregada doméstica ou a criança olhando para os cacos do prato que lhe escapou das mãos. E, provavelmente, tanto a criança como a empregada doméstica terão razão... É que tudo traz consigo uma espécie de fatalidade: o «destino» de um objecto pode extinguir-se nas nossas mãos porque assim estava determinado, predeterminado. O respeito que se tem por um criminoso «de morte», quando o crime dele é passional e não crapuloso, enraiza na mesma crença obscura. 
A gestação do medo, através desse complicado caminho de culpa e não culpa, começa no leite que se mama. Os telhados portugueses não têm só antenas de TV. Têm, ainda têm, sob formas tradicionais ou formas de banda desenhada, os papões que vêm inquietar o sono dos meninos:


Chó!Chó! Papão
sai de cima do telhado,
deixa o menino dormir
seu soninho descansado

E a verdade é que este papão - o culpabilizador por excelencia - se corporizou durante cinquenta anos, para o comum dos portugueses, na polícia que a todo o momento podia irromper por uma casa e levar este ou aquele para lhe espremer  culpas ou, depois, apresentar-lhe desculpas ....

....
(continua)

Crónica do livro, JÁ CÁ NÃO ESTÁ QUEM FALOU, ALEXANDRE  Ó NEILL (compilação póstuma)

3 comentários:

Majo Dutra Rosado disse...

Muito atual, oportuno e interessante...
A tua foto está, como sempre, singular.
Continuação de boas leituras, onde quer
que estejas... sem culpas...
~~~ Beijinhos ~~~

anamar disse...

Majo, sem culpas, claro ....estou de avó muito tempo .
O meu tempo hoje é um outro tempo . Beijinho

anamar disse...

Majo, sem culpas, claro ....estou de avó muito tempo .
O meu tempo hoje é um outro tempo . Beijinho