Avançar para o conteúdo principal

Kagge, o explorador que subiu pela primeira vez os dois Pólos e o Pico do Everest . Uma leitura esmerada

  





 Livro maravilhoso que abandonei há dois dias mas do qual ainda não saí.
   Em contradição, Kagge procura o silêncio e questiona o ruído nos nossos dias, de uma forma filosófica mas transparente .
   Um doce prazer que me provocou o autor e suas experiências . 
   Do ruído e do silêncio , vivo-os de forma empírica, mas felizmente já posso escolher o que mais prazer me dá. O silêncio. Ao ruído, vou lá de vez em quando. O ruído suportável , claro.
Há belas metáforas para a beleza do silêncio mas também para o silêncio no horror. O silêncio profundo em que se cai em frente da obra de arte de Munch, "O Grito".
Kagge, quis sentir o silencio total, e por isso mesmo tornou-se no primeiro explorador a subir o PóloSul, Pólo Norte e Pico do Everest.
Mais tarde , não o vivenciou, mas esteve atento  a uma performancista que explorava o silêncio em instalações no MOMA . Um dia, esta encerrou-se por horas ou dias, não lembro, num quarto à prova de qualquer som . O silêncio não existia . O  pulsar do sangue nas suas veias fazia barulho.
Leiam, que vão gostar.
 "O Grito", de Munch, 1893

Comentários

Mensagens populares deste blogue

" o auto elogio é o desespero de uma pessoa incapaz"... nem que seja por pura questão de personalidade *

O auto-elogio...O elogio deixa as pessoa decentes contrafeitas, enquanto o auto-elogio deixa todas as pessoas sérias boquiabertas. O elogio não desagrada, mas provoca no elogiado o senso crítico. Embora se sinta gratificado, ele sabe que poderia fazer melhor - e sente o peso dessa responsabilidade.
O auto-elogio é o substituto do elogio que não aconteceu. É a mentira computada sem pejo. É a agressão à capacidade crítica dos que a tudo assistem e que conhecem a realidade. É o atestado de ignorância, pois equivale a dizer: "Como VExa. não sabe avaliar, avalio por si. E a verdade é esta, sou bom e faço o melhor!". É menosprezo pela inteligência alheia.
Imagino poder estar correto, pois o auto-elogio dificilmente é proferido em diálogo com quem conhece bem o descarado. O auto-elogio é proferido perante quem é “de fora”, de longe ou recém-chegado. É a tentativa de impor uma imagem distorcida, antes que o outro compreenda e constate por si mesmo a realidade efectiva.
O auto-elogio…

Pelos caminhos de Sintra onde tudo é natural

A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.~
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
- sei que não vou por aí!

José Régio, Cântico Negro

Boas férias... e passem "as vistas" pelo nosso Mar à Vista :)

Norman Rockwell , pintura a óleo