sábado, 30 de maio de 2015

conclusão e fim do mês.... bom fim de semana

Nem todos os frutos vermelhos
merecem o céu
       da tua boca

Jorge Sousa Braga

sexta-feira, 29 de maio de 2015

arte urbana em Lisboa

Fado Vadio,  Movimiento dos Amigos de Sao Cristovao na Mouraria

Aqui 

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Olhares

Bonés há muitos...
Cabeças no ar, também.
Mas , o sol está aí em força.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

será que...? olhares


Será que pela hera passou, uma folha não apanhou,  porque do seu amor não se lembrou?
Talvez o olhar se tenha fixado mesmo no correr desta água cristalina, nascida da terra, onde a pureza do afeto se faz sentir. 
Coisas do ar puro...

sábado, 23 de maio de 2015

Olhares seguidos de leitura breve. Bom fim der semana


Poema à Mãe

No mais fundo de ti, 
eu sei que traí, mãe 

Tudo porque já não sou 
o retrato adormecido 
no fundo dos teus olhos. 

Tudo porque tu ignoras 
que há leitos onde o frio não se demora 
e noites rumorosas de águas matinais. 

Por isso, às vezes, as palavras que te digo 
são duras, mãe, 
e o nosso amor é infeliz. 

Tudo porque perdi as rosas brancas 
que apertava junto ao coração 
no retrato da moldura. 

Se soubesses como ainda amo as rosas, 
talvez não enchesses as horas de pesadelos. 

Mas tu esqueceste muita coisa; 
esqueceste que as minhas pernas cresceram, 
que todo o meu corpo cresceu, 
e até o meu coração 
ficou enorme, mãe! 

Olha — queres ouvir-me? — 
às vezes ainda sou o menino 
que adormeceu nos teus olhos; 

ainda aperto contra o coração 
rosas tão brancas 
como as que tens na moldura; 

ainda oiço a tua voz: 
          Era uma vez uma princesa 
          no meio de um laranjal...
 

Mas — tu sabes — a noite é enorme, 
e todo o meu corpo cresceu. 
Eu saí da moldura, 
dei às aves os meus olhos a beber, 

Não me esqueci de nada, mãe. 
Guardo a tua voz dentro de mim. 
E deixo-te as rosas. 

Boa noite. Eu vou com as aves. 

Eugénio de Andrade, in "Os Amantes Sem Dinheiro" 
/
 

quinta-feira, 21 de maio de 2015

"ouver"

Emília Nadal,Sonata de Shubert, 2015
Breve na Galeria de S. Mamede. Uma exposição a não perder. E, depois passear pela magia do Príncipe Real. Tudo na nossa querida cidade branca, Lisboa

quarta-feira, 20 de maio de 2015

terça-feira, 19 de maio de 2015

lembranças no tempo mas fora do espaço, mas no tempo das cerejas...

Alguém que já foi da família faz hoje anos.
 Nascido quase um pouco antes de meados do séc. XX, no tempo em que as coisas fora do tempo eram muito pouco prováveis e caras. As cerejas.
Mas a mãe do "neófito", ao longo da vida e com passagem de testemunho para quem lhe passou a tomar conta do "rebento", tinha que comprar sempre neste dia , cerejas. Eram caras, muito caras e encontrá-las nesta altura do ano , em cidade de província, como era uso apelidar as cidades fora do contexto da capital, não era tarefa fácil. Mas elas apareciam. havia um certo magnetismo entre quem as procurava e as recebia e só assim o ciclo do tempo ficava completo.
Vidas.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

"duas lições"

LIÇÕES

Duas lições:
- aprender a agarrar ( a lição mais óbvia)
- aprender a largar (a mais difícil).
Quanto tempo consegues... antes de largar?
Qual o tempo mínimo entre os momentos de agarrar e de  largar?
Conseguir agarrar nas coisas como se agarra no fogo. Largar no momento em que se agarra, no exacto momento. Conseguir tratar os objectos assim.
O pior: antes de agarrar, largar. Ou seja: desistir.
O tédio e a impaciência.
Nada me satis
faz (não quero continuar a agarrar nada, o desejo de continuar a agarrar não existe) - tédio.
Impaciência: quero sempre agarrar outra coisa, quero sempre a próxima queimadura - 

para que a dor que outro objectos
acontecimentos me prometem apague
elimine a dor de agora, a dor actual.

Gonçalo M: Tavares , Breves Notícias Ficcionais ( notícias de homens)


domingo, 17 de maio de 2015

deixo-vos um verso

a amada nas altas montanhas
o amador ao rés das águas

HERBERTO HELDER
Poemas Canhotos (últimos poemas saídos postumamente)

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Não há bem que sempre dure, mas quando o "bem" é obra de arte, ele será eterno. Assim será com B. B. King

Lembraremos sempre as pessoas que nos fizeram e continuam a fazer felizes.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Porque nem todos os esforços chegam a bom porto

Segue, uma declaração de Monet já no fim de sua vida, porque sua existência será eterna, a respeito das “Ninféias”:
“Estas paisagens refletidas tornaram-se para mim uma obrigação, que ultrapassa as minhas forças que são as de um velhote. Mas mesmo assim, eu quero chegar ao ponto de reproduzir aquilo que sinto. E espero que estes esforços sejam coroados de êxito.”

terça-feira, 12 de maio de 2015

Esteban Vicente...


... criador de estados de alma tão diferentes e sombrios...

Vieste como um Barco Carregado de Vento

Vieste como um barco carregado de vento, abrindo 
feridas de espuma pelas ondas. Chegaste tão depressa 
que nem pude aguardar-te ou prevenir-me; e só ficaste 
o tempo de iludires a arquitectura fria do estaleiro 

onde hoje me sentei a perguntar como foi que partiste, 
se partiste, 
que dentro de mim se acanham as certezas e 
tu vais sempre ardendo, embora como um lume 
de cera, lento e brando, que já não derrama calor. 

Tenho os olhos azuis de tanto os ter lançado ao mar 
o dia inteiro, como os pescadores fazem com as redes; 
e não existe no mundo cegueira pior do que a minha: 
o fio do horizonte começou ainda agora a oscilar, 
exausto de me ver entre as mulheres que se passeiam 
no cais como se transportassem no corpo o vaivém 
dos barcos. Dizem-me os seus passos 

que vale a pena esperar, porque as ondas acabam 
sempre por quebrar-se junto das margens. Mas eu sei 
que o meu mar está cercado de litorais, que é tarde 
para quase tudo. Por isso, vou para casa 

e aguardo os sonhos, pontuais como a noite. 

Maria do Rosário Pedreira, in 'O Canto do Vento nos Ciprestes' 

a minha festa do cinema

Ontem e ainda hoje. 
Amanhã logo se verá...
Delícia bilhetes a 2.50 euros.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Palavras leva-as o vento




Vida, cantada e sonhada...

Olha,
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura o rosto da atriz
Se ela dança no sétimo céu
Seela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na suavida
Olha,
Será que é de louça,
Será que é de éter
Será que é loucura,
Será que é cenário a casa da atriz
Se ela mora num arranha-céu,
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na suavida

Sim, me leva para sempre Beatriz
Me ensina a não andar com os pés no chão,
Para sempre é semprepor um triz
Ai, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz

Olha,
Será que é uma estrela,
Será que é mentira
Será que é comédia,
Será que é divina a vida da atriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se o arcanjo passar o chapéu
E se eu pudesse entrar na sua vida.

Edu Lobo e Chico Buarque

terça-feira, 5 de maio de 2015

Ei-los que partem e alguns que chegam

Chegam ao litoral e o horizonte aberto parece uma dádiva. Sobreviveram a guerras, massacres, misérias, trazem uma fome total, de comida, de um lugar acolhedor, de um gesto que não traga mais desdém, hostilidade, perigo. Partiram do nada, numa fuga onde esgotaram todos os recursos que sobravam. Venderam-lhes a promessa de um futuro e embarcaram porque não tinham outra opção. Foram resgatados 5842 homens, mulheres, crianças no Mediterrâneo nos últimos dois dias...
Ana Sousa Dias no DN

5 de maio de 1996...

... foi a um domingo, dia da Mãe e o meu pai resolveu deixar-nos com a mesma calma com que sempre viveu.

e na única forma que tem de acompanhar-te
o meu coração bate

José Tolentino Mendonça

domingo, 3 de maio de 2015

3 de Maio ...

O que me apetece quase todos os dias, mas hoje em particular...
Mimo.


(um símbolo da maternidade... , contudo, aqui ao meu lado,  tenho uma colher de pau para enxotar os pombos que teimam em fazer ninho na minha varanda. )

sábado, 2 de maio de 2015

sexta-feira, 1 de maio de 2015

1º de Maio ou o "Moving Day"

Em Portugal e em outros países, a data escolhida para o dia internacional dos trabalhadores foi, desde logo, associada aos ritos de Primavera. Não admira. A articulação entre a regeneração da natureza e os desejos de regeneração social teria estado na génese da festa cívica moderna. De facto, por mero acaso ou não, já anteriormente o primeiro dia de Maio tinha sido palco de acções populares. E Mona Ozouf demonstrou que a festa da árvore da liberdade, que irrompeu nos inícios da Revolução Francesa, entroncava numa das tradições das "maias" camponesas, embora, na sua nova expressão, o rito constituísse um gesto simbólico de insurreição e de surgimento de um tempo novo. Por sua vez, no Estado de Nova Iorque, o 1º de Maio coincidia com o Moving Day, dia da renovação de alugueres e de contratos de toda a espécie, o que contribuía para a existência de um clima de transformação na sociedade.
Algo de parecido acontecia em Portugal. No Alentejo, os inícios daquele mês era o período das alterações e renovações dos contratos de arrendamento ou da sua quebra; em Lisboa, o do tempo do pagamento das rendas (o outro era Novembro), e o das mudanças nos preços e de domicílio. Em suma, na Primavera, a natureza predisporia os espíritos para aderirem a atitudes de renascimento, rebeldia e optimismo.
Fernando Catroga, O Céu da Memória. Cemitério romântico e culto cívico dos mortos em Portugal (1756-1911), Minerva, Coimbra, 1999, p. 249.


O que Joana Bernardes colocou no mural de A TEXTOS E PRETEXTOS DE FERNANDO CATROGA, no FB.