sábado, 30 de abril de 2016

apetece-me pensar azul, bem perto de uma "cidade branca", em dia de uma nuvem "escurecida"....( 1951-2016)

Depois de ouvir a notícia da partida de Paulo Varela Gomes, ficou-me o vazio do que ainda me falta ler e do que já não lerei . E num pequeno percurso reflexivo sentei-me a ouvir Bernardo. Gente que fica para além das suas vidas.
Azul Klein

sexta-feira, 29 de abril de 2016

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Yehudi Menuhin, centenário



O famoso violinista britânico Yehudi Menuhin acredita que seu próprio talento musical se deva, em parte, ao fato de seus pais estarem sempre a cantar e tocar música antes de ele nascer.
(citação)

"Um cristal quebrado ou quando a angústia não cabe na tormenta", , assim seria Mário de Sá Carneiro

Do ponto de vista psicopatológico, o que se observa em Mário de Sá-Carneiro é uma doença do Eu, com distorção da auto-imagem, dificuldade na identificação sexual, impulsividade, fantasmas de morte e ansiedade em braseiro.

Mário de Sá Carneiro, centenário da sua morte. Por aqui, "Confissões de Lúcio"



A Inegualável

Ai, como eu te queria toda de violetas 
E flébil de setim... 
Teus dedos longos, de marfim, 
Que os sombreassem joias pretas... 

E tão febril e delicada 
Que não podesses dar um passo - 
Sonhando estrelas, transtornada, 
Com estampas de côr no regaço... 

Queria-te nua e friorenta, 
Aconchegando-te em zibelinas - 
Sonolenta, 
Ruiva de éteres e morfinas... 

Ah! que as tuas nostalgias fôssem guisos de prata - 
Teus frenesis, lantejoulas; 
E os ócios em que estiolas, 
Luar que se desbarata... 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Teus beijos, queria-os de tule, 
Transparecendo carmim - 
Os teus espasmos, de sêda... 

- Água fria e clara numa noite azul, 
Água, devia ser o teu amor por mim... 

Mário de Sá-Carneiro, in 'Indícios de Oiro' 

sábado, 23 de abril de 2016

"postas de pescada", por encomenda, "jornal sempre fresco"



... e chegam a casa em bom estado de conservação e leitura. 
Deixo aqui o endereço do mercado abastecedor.


Chamar-se-à
ABRIL
disse a voz de Delfos.
O céu está encoberto.
Será nome de mês.
Inscrever-se-á nas
paredes a tinta, a giz,
que a comida é fruto
do sonho.
Quando o tempo passar, Abril será sonho
e realidade e muitos
saberão. Revelar-se-ão
exemplos de dignidade,
o movimento será forte.

Versão dois:
soou baixinho a voz
 de Delfos. Abril ficou
aquém, é flor que não abriu toda.
E agora, perante isto?
Grita-se apenas que
é para sempre?

Os Editores

A escolha para a capa do almanaque" Postas de Pescada", de Abril de 2016.
Não deixa de ser um requinte receber este "envelope" na caixa de correio.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Prince, forever

How can u just leave me standing?
Alone in a world so cold, world so cold
Maybe I`m just 2 demanding
Maybe I`m just like my father 2 bold
Maybe you`re just like my mother
She`s never satisfied
Why do we scream at each other
This is what it sounds like when doves cry

Como você pode me deixar esperando
Sozinho em um mundo que é tão frio?
Talvez eu seja exigente demais
Talvez eu seja igual ao meu pai, ousado demais
Talvez você seja como minha mãe
Ela nunca está satisfeita
Por que nós brigamos tanto um com o outro
Este é o som que faz quando os pombos choram.


Prince




Maria João Pires, "madame la pianiste"

A pianista Maria João Pires venceu um dos Óscares da música clássica. A artista vai receber o prémio Gramophone, da categoria "Concerto", numa cerimónia que está marcada para o próximo dia 17, em Londres, Inglaterra.  
O prémio foi atribuído à pianista portuguesa pela interpretação de concertos de Bethoven, gravados com a orquestra sinfónica da Rádio Sueca e o maestro inglês Daniel Harding. A obra teve a participação da editora britânica Onyx Classics. 

Para além da artista, o coro Gulbenkian também foi nomeado para os prémios Gramophone, na categoria de "Ópera". 

Os galardões da revista Gramophone são considerados os Óscares da música clássica, premiando os melhores do género a nível mundial, desde 1977. 
 


(inTVI24)
 

quarta-feira, 20 de abril de 2016

O que Amadeo nos traz ou a metáfora da descoberta da Lua ... e a dimensão da palavra Amor

Crème Eclipse, l'ouvrir est un jeu d'enfant, le meilleur cirage dans la meilleure boîte à clé
Tôle emboutie en relief autour de 1920, 49,5 cm x 35 cm
publicité Eclipse signée Edouard Bernard

... ou as palavras , as escritas, são também como as cerejas, mas as emoções desmedidas. Não sabia como descrever a emoção que foi para mim a descoberta da Lua, quase cheia, pelo meu neto Gabriel, ontem,  ao entardecer, ou já quase noite, sempre estávamos perto das 20h, hora de relax, mar e céu como vista  de varanda, música, Carmina Burana. 
Para ele era só mais uma bola suspensa , tão parecida com aquela com que costumamos brincar. Coisa estranha para ele, mas que o encantou.
Os dedos do Gabriel são uma perdição para mim, mas o dedo indicador põe-me "louca".... O dedo da descoberta, o dedo do empurra disto e daquilo, mas sobretudo das bolinhas que fazem parte dos seus jogos didácticos, quase de precisão. 
Treze meses. Gabriel, nome de anjo anunciador.
Treze meses, em que cada mês a palavra Amor toma uma outra dimensão. Um novo amor anunciado.
Sinto a explosão desse Amor à dimensão de enorme "pleine lune".
E, ontem, perante a alegria da descoberta, da beleza e olhar do bebé, aquele dedo indicador, as suas gargalhadas, o olhar cúmplice, as festinhas, eu jurei a mim mesma, que a palavra Amor, por vezes tão mal usada e empregue, tão imerecida por quem por vezes o dedicamos, jamais será usada em vão. A idade pode tornar-nos mais sábios. Pode...
Eu não acreditava que ser avó, era assim.

(O mote para a minha conversa veio desta leitura, aqui, a propósito da inauguração da exposição de Amadeo de Souza Cardoso, hoje em Paris e de uma outra que lhe está associada.
A caixa , pouco ortodoxa, anúncio de cigarros, serviu de mote à minha emoção)

terça-feira, 19 de abril de 2016

vamos entrar na festa de Amadeo de Souza Cardoso, amanhã na RTP1

Amadeo de Souza Cardoso e amigos

Vamos marcar encontro na RTP1, amanhã dia 20, às 21h , para. programa especial dedicado a Amadeo Ver AQUI

Paris, Paris... Grand Palais....Amadeo. As uvas estão altas, só os cães lá podem chegar...

domingo, 17 de abril de 2016

bom domingo...

um video "viral" que tem vindo por mail.
tão bonito que tenho que o partilhar.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

faz hoje 564 anos que Leonardo da Vinci nasceu ___________ DIA INTERNACIONAL DO DESENHADOR





Hoje é o Dia do Desenhador, celebrando 564 anos desde o nascimento de Leonardo da Vinci, e o DN quis assinalá-lo com a ajuda de alguns ativos urban sketchers, homens e mulheres de profissões variadas e com este prazer em comum: desenhar. Dir-se-ia, à primeira vista, que é mais um dia internacional, hoje uma ideia banalizada - ainda agora passou o Dia do Beijo (13 de abril), já aí vem o do sorriso (28 de abril), depois o do whisky (21 de maio) e, felizmente, o da preguiça (15 de outubro). Mas o desenho é outra coisa. Podemos maravilhar-nos com a inteligência e a beleza do traço do genial Da Vinci ou com os esboços de arquitetura de Álvaro Siza Vieira, "....

IN artigo de Ana Sousa Dias, jornal DN, aqui
e ainda aqui

quarta-feira, 13 de abril de 2016

segunda-feira, 11 de abril de 2016

leituras breves, "foi difícil, porque o sono tinha muita força"

“Um dia, à meia-noite, ele viu-a. Era a estrela mais gira do céu, muito viva, e a essa hora passava mesmo por cima da torre. Como é que a não tinham roubado? Ele próprio, Pedro, que era um miúdo, se a quisesse empalmar, era só deitar-lhe a mão. Na realidade, não sabia bem para quê. Era bonita, no céu preto, gostava de a ter. Talvez depois a pusesse no quarto, talvez a trouxesse ao peito. E daí, se calhar, talvez a viesse a dar à mãe para enfeitar o cabelo… Devia-lhe ficar bem, no cabelo. De modo que, nessa noite, não aguentou. Meteu-se na cama como todos os dias, a mãe levou a luz, mas ele não dormiu. Foi difícil, porque o sono tinha muita força. Teve mesmo de se sentar na cama, sacudir a cabeça muitas vezes a dizer-lhe que não. E quando calculou que o pai e a mãe já dormiam, abriu a janela devagar e saltou para a rua. A janela era baixa. Mas mesmo que não fosse. Com sete anos, ele estava treinado a subir às oliveiras quando era o tempo dos ninhos, para ver os ovos ou aqueles bichos pelados, bem feios, com o bico enorme, muito aberto. E se não era o tempo dos ninhos, andava à solta pela serra, saltava os barrancos e jogava mesmo, quando preciso, à porrada como um homem. Assim que se viu na rua, desatou a correr pela aldeia fora até à torre, porque o medo vinha a correr também atrás dele. Mas como ia descalço, ele corria mais. A igreja ficava no cimo da aldeia e a aldeia ficava no cimo de um monte. De modo que era tudo a subir. Mas conseguiu – e agora estava ali. Olhou a estrela para ganhar coragem, ela brilhava, muito quieta, como se estivesse à sua espera….”
In, Vergílio Ferreira, A Estrela.

Tirado da revista online iSleep, dirigida pela médica do sono,  Dr.ª Teresa Paiva
Pintura de V. Van Gogoh, "A Noite Estrelada", feita aos 37 anos enquanto estava num hospício.

    domingo, 10 de abril de 2016

    hoje, de céu azul, espero ver a vida em "rose"... bom domingo

    porque a noite demora mais tempo a chegar, mas chega...




    Obrasde Raoul Dufy, "la vie en rose " e "Orchestra" (Le Havre, 1877_1953)

    sábado, 9 de abril de 2016

    “O discernimento consiste em saber até onde se pode ir”


    ESCRTITO NA PEDRA, Jean Cocteau (1889-1963) , jornal Público de hoje

    quinta-feira, 7 de abril de 2016

    olhares


    Marie Lund, expõe na Nova Tate
    No azul da roupagem , a incapacidade de te fixares no claro céu,  onde as nuvens escuras te fazem toldar o olhar. 
    Muda de cor.
    AM


    quarta-feira, 6 de abril de 2016

    auto ajuda através da arte...




    Pinturas dos anos 40 de Morris Graves, pintor americano(1910-2001)
    "flores e pássaros, ou a natureza das coisas".
    E, para os amantes de arte, aquela que nos salva e nos põe a recato das maleitas do mundo, acentuo mais uma vez essa ideia nas palavras de Joana Carneiro, a propósito da ópera que estreia amanhã, e espero ver na sexta-feira, "A Flowering Tree", de Jonh Adams, "Não tenho dúvidas de que a arte ajuda a tornar momentos muito difíceis e assustadores em momentos com alguma beleza" (Expresso de 2 de Abril)

    segunda-feira, 4 de abril de 2016

    ó palermas, panamás há muitos...

    offshores , também...

    Até há quem diga que o verdadeiro panamá é feito no Equador, o que pode explicar muita coisa....
    Esta , uma verdadeira novela mexicana.

    em Abril, ora chove ora ri (provérbio)

    Pintura de Bruce Cohen

    As manhãs de Abril são doces de dormir.

    domingo, 3 de abril de 2016

    domingo de Pascoela e prímulas do mesmo nome


    Flores, pascoelas ou prímulas
    Tenho uma coisa que eu te posso dar
    que é o vento a vir atrás do verde
    e a dizer azul no teu cabelo

    Pedro Tamen

    sexta-feira, 1 de abril de 2016

    a arquiteta iraquiana Zaha Hadid, primeira mulher a ganhar o Pritzker", 1951-2016


    "Ridículo", diz idealizadora de estádio do Qatar sobre comparação com vagina ,arquiteta iraquiana Zaha Hadid, primeira mulher a ganhar o Pritzker"
    "O que estão dizendo? Tudo com um buraco é uma vagina? Isto é ridículo", afirmou a arquiteta Zaha Hadid, idealizadora do estádio Al-Wakrah, no Qatar, após o falatório na internet comparando o projeto de sua autoria ao órgão sexual feminino.
    O estádio deverá ser um dos palcos dos jogos da Copa do Mundo de 2022, que será disputada no Qatar.
    Zaha Hadid desdenhou da comparação em entrevista à revista norte-americana Time.