quinta-feira, 30 de abril de 2015

Um outro olhar ao vivo e a cores...




Exposicão de Arte contemporânea na Coleção de Sindika Dokolo, Galeria Municipal do Porto, Palácio de Cristal.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

vamos ao cinema?

E, ainda podemos ler algo mais AQUI

terça-feira, 28 de abril de 2015

Olhares


Mais triste é termos de nascer e morrer
e haver árvores ao fim da rua

Ruy Belo, A Mão no Arado

sábado, 25 de abril de 2015

Felizes o que já nasceram em Liberdade. 25 de Abril , sempre.

Fotografia tirada há 1 ano
«Lisboa tem um cravo em cada mão
Tem camisas que Abril desabotoa
Mas em Maio Lisboa é uma canção

Onde há versos que são cravos vermelhos
Lisboa que ninguém verá de joelhos.»
Manuel Alegre ~1974 ...

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Amanhã haverá mais, se for caso disso.

Fotografia de 25 de abril de 2014.
O meu olhar .

Frederick William Flower, entre 1849-1859, negativo de um lugar “habitado” por pinheiros mansos, em Coimbrões, Vila Nova de Gaia: a qualidade artesanal da técnica, antecessora do processo fotográfico convencional, oferece um tom sinistro, irreal, nocturno.

Para breve , no Museu do Chiado.  AQUI

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Neste dia Mundial do Livro


e... porque os amigos conhecem os nossos gostos, fui presenteada com esta relíquia.

"Livro, quando te fecho, abro a vida"

Pablo Neruda

Fotografia do Almanaque, de Rogério Gonçalves Costa, SEM T´TULO

Curtas...


terça-feira, 21 de abril de 2015

um buraco, é sempre um buraco....

e, muitas vezes sem saída...

Houve tempo em que nos amores e nas paixões, se falava de forma espectacular. Com baba e ranho. Dava-se tudo. Saíamos rasgados de pele e coração. Valia sempre a pena, mesmo quando perdíamos o chão.
 Os erros, as faltas, as vertigens, o pé à beira do abismo existiam para nos lembrarmos de que somos humanos. a regra era cair e levantar, prontos para outra depois de lutos intensos, sofridos, partilhados. Agora tudo isso existe sob a forma de prevenção. Para nos lembrarmos do que não devemos fazer, dos riscos que não devemos correr, contra o vírus da solidão.
Fomos ficando higienizados. Da alma à cama. Uma espécie de "se conduzir não beba" para evitar os males do coração. Como se pudéssemos dizer "se amar não se magoe".
Com o passar dos anos , aprendemos a contornar os sintomas a bem da decência, da pose, da anestesia geral ou local, conforme as necessidades. O importante é não dar parte de fracos.
O ciúme é uma coisa moderna, para ser compreendida.
A discussão acalorada está fora de moda.
A vingança é um prato que se não serve frio nem quente nas relações mais conceituadas. É coisa do povo, ementa de vidas de tasco, entre um tiro de caçadeira e um facalhão de meter respeito.
O civismo entrou definitivamente na nossa intimidade (?) para amansar os corpos, os gestos , as palavras.  A postura é um fato pronto-a-vestir que usamos para entrar e sair das relações. Talvez até já nem se rasguem roupas quando chega a hora. O sentimento não ferve, a aprendizagem das loucuras que fizemos é renegada e a história do que fomos não tem disco duro porque a caixa de mensagens é mais prática e descartável. De resto. já não há cartas para guardar porque ninguém as escreve. Quem as leria, de resto, se tivessem mais de 140 caracteres?
Como num poema de Eugénio, já não há nada que nos peça água. E estamos como ela: insípidos, inodoros e incolores. Leves. Capazes de ir do tudo ao nada sem efusão de sangue. Deve andar a  escapar-nos o momento em que deixamos de olhar a vida nos olhos e a desregrada infinidade de coisas que vinha junto com ela.

fui saber notícias de Babilónia... aconteceu, no sábado, na Fundação José Saramago





sábado, 18 de abril de 2015

bom fim de semana ..


Fotografia de Rosa Tengarrinha, Monte Estoril

De momento,  procuro o descanso do corpo, depois de uma luta de 6h para ver a Lisboa Romana... (valeu a pena? tudo vale a pena.... diria o poeta...),
também repouso o olhar nos elementos da minha praia ...

sexta-feira, 17 de abril de 2015

as minhas descobertas...

Renoir
(Aqui) a hipótese de encontrar algumas relíquias para compreender a arte e a sua história através do cinema. Haja tempo e curiosidade. Os filmes completos podem ser legendados. 

In, OBVIOUS

terça-feira, 14 de abril de 2015

A ver e a ler...

Há quem feche o coração a sete chaves. Outros nem tanto . Assim é a Ana Biscaia.

365 dias... uma eternidade

Um ano depois do rapto de Chibok, 200 jovens nigerianas continuam desaparecidas.

"não sei como resiste o que perdura"

Luís Amorim de Sousa, Coisas

a caixinha das cores de Gunter Grass (1927-2015)




domingo, 12 de abril de 2015

mal-me-quer... bem-me-quer...

A minha filha perguntou-me
o que era para a vida inteira
e eu disse-lhe que era para sempre.

Ana Luísa Amaral, Silogismos 

sábado, 11 de abril de 2015

sexta-feira, 10 de abril de 2015

as presidenciais... aos meus olhos...

Hieronymus Bosch - O Jardim das Delícias (detalhe, painel central), 1504
OS CALONDROS

Os calondros no campo, acachapados,
figuram, aboborando, os meus cuidados,
bubões, já amáveis, duma vida
nem vitoriosa , nem vencida.

Alexandre O' Neill, Feira Cabisbaixa

Até 24 de Abril torturas mil... O sono ou a sua privação. Leituras breves

A tortura, a privação do sono no tempo do fascismo. 
Opinião de Irene Pimentel, aqui

quinta-feira, 9 de abril de 2015

também podia ser uma questão posta sobre o Portugal em que vivemos...entender-nos-emos?

(E quem não entender os meus
Versos, pergunte ao psiquiatra).

Vitorino Nemésio, Plágio?

As minhas fotos

terça-feira, 7 de abril de 2015

segunda-feira, 6 de abril de 2015

"pascoelando"... numa tarde de abril de quase águas mil...



Tu:

a primavera luminosa da minha expectativa
a mais certa certeza de que gosto de ti, como
gostas de mim, até ao fim do mundo que me deste.

Nuno Júdice, Pedro, Lembrando Inês

Requiem...

Tributo aos estudantes barbaramente assassinados no Quénia.
Ontem forem eles. Amanhã podem ser os nossos. 

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Uma pausa... e uma Páscoa.




Não sei que dia é porque te amo
Sebastião Alba

Peter Carl Fabergé  "Egges"

quinta-feira, 2 de abril de 2015

O tempo parou para Manuel de Oliveira.( 1908-2015)


E como é que faz essa distinção entre os bons e os maus realizadores?

O Rembrandt apresentou à sociedade o seu quadro A Ronda Nocturna e foi muito mal recebido. Detestaram-no. Ele ficou muito triste. Fez uma reflexão e junto dos seus alunos comentou e perguntou: “O militar tem o seu sucesso na vitória, o comerciante tem o seu sucesso nos lucros, mas o artista, onde é que ele vai buscar o seu sucesso?” É uma pergunta que não tem resposta. A arte, ou se gosta ou não se gosta, ou se entende ou não entende. Mas, de facto, há uma afirmação daquilo que é bom e daquilo que é mau através do tempo. É aquilo que resiste ao tempo.

(EM ENTREVISTA AO PÚBLICO, EXCERTO)

Lembrado AQUI

quarta-feira, 1 de abril de 2015

alma até Almada... o Negreiros ( a ortografia, senhores, era a vigente...)

O Echo

Tão tarde. Adão não vem? Aonde iria Adão?! 
Talvez que fosse á caça; quer fazer surprezas com alguma côrça branca lá da floresta. 
Era p'lo entardecer, e Eva já sentia cuidados por tantas demoras. 
Foi chamar ao cimo dos rochedos, e uma voz de mulher tambem, tambem chamou Adão. 
Teve mêdo: Mas julgando fantazia chamou de nôvo: Adão? E uma voz de mulher tambem, tambem chamou Adão. 
Foi-se triste para a tenda. 
Adão já tinha vindo e trouxera as settas todas, e a cáça era nenhuma! 
E elle a saudá-la ameaçou-lhe um beijo e ella fugiu-lhe. 
- Outra que não Ella chamára tambem por Elle. 

Almada Negreiros, in 'Frisos - Revista Orpheu nº1', 1915

Respeitosamente a ortografia da época mantém-se.