segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Voando, talvez te encontre, estrelinha...

A ESTRELA POLAR

Eu vi a estrela polar
Chorando em cima do mar
Eu vi a estrela polar
Nas costas de Portugal!

Desde então não seja Vênus
A mais pura das estrelas
A estrela polar não brilha
Se humilha no firmamento
Parece uma criancinha
Enjeitada pelo frio
Estrelinha franciscana
Teresinha , mariana
Perdida no Polo Norte
De toda a tristeza humana.

Vinicius de Moraes, Antologia poetica





domingo, 30 de agosto de 2009

ah! os nossos pequenos grandes fantasmas...

Despedidas...
Dizem e confirmo que uma das melhores coisas da vida è viajar.
A outra , ainda melhor , è regressar!
Todos os meus "gasparzinhos"esperam por mim... porque a esses deixei bem fechados numa gaveta , a tal de tristes memòrias`...
Atè breve jà com os acento agudo e grave devidamente repostos....
Bom domingo para vòs , tambèm vou fazer alguma coisa pelo meu!

sábado, 29 de agosto de 2009

Beija-flor, o sonho de qualquer flor...


Devagarinho, vou-me despedindo....



Em jeito de despedida... esta noite não podia ser melhor....
O Teatro das Artes recebe o espetáculo “Tom & Vinicius, o musical”, que conta a história de amizade entre os compositores Tom Jobim e Vinicius de Moraes durante as décadas de 50 e 60. Artistas Marcelo Serrado (Tom Jobim) e Thelmo Fernandes (Vinicius de Moraes),a peça tem no repertório musical canções como "Desafinado", "Samba de umanota só", "Ela é carioca", "Por causa de você", "Garota de Ipanema", entre outros sucessos.Com direção de Daniel Herz e direção musical de Josimar Carneiro,a montagem surgiu da vontade do ator Marcelo Serrado de levar para o teatro uma parte da história do maestro e compositor Tom Jobim. Além de interpretar Tom, Serrado toca violão e piano, canta e assina a produção da peça...

Eles não poderiam ser mais reais em suas interpretações. Era como estar a entrar nas suas proprias vidas... com momentos musicais de excepção.... com vozes maravilhosas!

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Ele è o moucherolle-vermillion...



A UM PASSARINHO


Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!
Se è para uma prosa
Não sou Anchieta
Nem venho de Assis.

Deixa-te de històrias
Some-te daqui!


De Vinicius, in Antologia Poètica

Hà que aproveitar estas pèrolas...

GUERNICA. Por Millôr. No dia anterior ao bombardeameto
"A cena se passa – como a de Picasso – num espaço interno-externo, casa-praça, alegria vilareja e doméstica. Uma pomba pacífica brinca com o rabo do touro, cheio de virilidade – notar os testículos. O touro tem a satisfação do animal (como o homem) quando está em sua querência. O cavalo dança sevilhanamente. Na verdade: cavalo e touro são exemplos lúdicos de bumba meu boi. Uma luz no alto ilumina, claro, claro (predomínio do amarelo), tudo! Um jovem militar oferece uma flor a uma jovem guerniquense com seus seios ansiosos de maternidade. À esquerda a mulher já mãe cuida de seu filho. À direita uma ama encaminha um bebê para a saída (para a obra futura do pintor) enquanto, à janela, Bernarda e Alba fofocam, contentes. Uma pede à outra querosene emprestado, sem pressentirem os stukas agressores, no céu azul."
GUERNICA por Picasso no dia do bombardeamento
Em 1940, Paris ocupada pelos nazistas, dois oficiais alemães, diante do horripilante painel, perguntaram a Picasso: "Foi o senhor quem fez isto?". Ao que o intrépido pintor respondeu prontamente: "Não, foram os senhores".
Esta pintura de Millôr aconteceu hà 15 anos ,quando o Museu de Arte Moderna Do Rio apresentou uma exposição de pintores vàrios com a sua interpretação da Guernica e que serviu de texto na revista Veja de 12 de Agosto!
Uma pèrola... a nào perder!
(a questão dos acentos, sò se resolve quando escrever no meu HP..., desculpem!)

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Carybè, pintor baiano


Algo me passou pela mão que me relembrou Carybè,
pintor baiano, frequentador assiduo de Portugal, com vàrias exposições no Casino Estoril, e tambèm ilustrador de vàrios livros de Jorge Amado.
Hoje, deixo-vos com ele e com a vossa curiosidade...
Vale a pena.
A invernia carioca faz ter vontade de ir atè à terra do baiano... ou entào de chegar depressa ao atlantico norte...
Brrrr....


terça-feira, 25 de agosto de 2009

O pincel do poeta


A aguarela acima foi feita por Vinicius de Moraes, em homenagem a Nelita Rocha, a quinta das suas nove mulheres. É o único quadro conhecido do poeta. Foi pintado em 1965, a pedido de um grupo de estudantes que queria leiloar algum desenho de Vinicius para angariar fundos para a formatura. Como o resultado ficou bom, Nelita não quis desfazer-se dele – e os estudantes ficaram a ver navios. A aquarela será publicada pela primeira vez na coletânea de crônicas Para uma Menina com uma Flor (Record), que chega às livrarias esta semana.(no Brasil)

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Ainda Solnado. Uma leitura surpreendente!


Este fim de semana, bem longe da "Cidade Maravilhosa", veio-me parar à mão a revista Veja , de 19 de Agosto, aonde Millôr Fernandes, amigo do coração de Solnado, escreveu sobre o seu desaparecimento.
Tinha vontade de transcrever todo o texto, mas vou, com dificuldade selecionar...
Tambem fiquei satisfeita por saber que Raul està na memòria de muitos brasileiros.
..."lhe ensinaram que a vida è curta , por si mesmo percebeu que a vida è perto. E quando percebeu que a vida è transmisivel por via sexual sentiu logo sentimento de culpa por seus gozos. Mas com dois filhos nos dois continentes, condena a incontinência... "Generoso nato, nasceu mignon como solução para o problema demogràfico -
se todos fossem assim caberia mais gente no mundo..."Prudente quando entra em enrascada o primeiro que faz è perguntar onde fica a saida. Gosta de ser considerado impagàvel, mas nunca na bilheteira. Tem extrordinària expressão corporal, toda no espirito.... "Menino-prodigio, aproveitou essa dadiva e reservou uns dias de infânciapara os anos de hoje. Ri pouco, faz rir muito, fala envolto num crepom de malìcia e todo o seu humor è anfiguri. Dentro da sua alma vibram jograis, saltam andarilhos, vivem polichinelos, cantam bufões, se escondem saltimbancos, bobos , truões, entremezistas patuscos e pelotiqueiros, todos os palhaços do rei - de cuja sabedoria ele se apropriou para ser o rei dos palhaços"...
"Uma frase perdida: "A vida è sempre em volta". A pergunta metafìsica:"Que fazer do homem que não gasta o destino?". Uma dùvida de fè: "Se Deus existe, por que nunca veio ver um espectaculo meu?"Epitàfio proposto:":Agora jà è tarde".
E aì està o Raul feito e medido.
Do Solnado eu nem falo.
P.S.
Raul foi meu amigo a vida inteira.
A dele. Traidor, continuo na minha."

Gostei de ouvir o Quero-quero...



Ha prazeres de fim de semana que se podem traduzir pelo canto de uma(s) ave(s), porque o resto, è dificil de tanscrever... O quero-quero é uma ave do tamanho de uma perdiz e caracteriza-se pelo colorido geral cinza-claro, com manchas pretas na cabeça, peito e cauda. A barriga é branca e a asa tem penas verde-metálicas. Apresenta um penacho na região posterior da cabeça; o bico e as pernas são vermelhadas e tem um par de esporões no encontro das asas. O quero-quero é sempre o primeiro a dar o alarma quando algum intruso invade seus domínios. É uma ave briguenta que provoca rixa com qualquer outra espécie habitante da mesma campina. As capivaras tiram bom proveito da convivência com o quero-quero, pois, conforme a entonação, o grito dessa ave pode significar perigo. Então os grandes roedores procuram refúgio na água. O quero-quero, afasta os intrusos que se aproxima de seu ninho, fingindo-se ferido.


sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Bom fim de semana por aì...

- Qual a mentirinha de hoje, querido Pinòquio?...
Và là, não me deixe entediada...

"Gosto da verdade. Acredito que a humanidade precisa dela; mas precisa ainda mais da mentira que a lisonjeia, a consola, lhe dá esperanças infinitas. Sem a mentira, a humanidade pereceria de desespero e de tédio.

Anatole France, in 'A Vida em Flor'

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Esta noite sonhei com Vinicius...

Soneto da separação

De repente do riso fez-se pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a ultima chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imòvel fez-se o drama'

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez de amante
E de sòzinho o que se fez contente

Fez-se do amigo pròximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente

Vinicius, in Antologia Poètica
Õleo do pintor brasileiro, do Rio de Janeiro, Eduardo Arguelles, "Encantamento"

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Vida de princesa...o final nem sempre è feliz.

Capuchinho Vermelho, viciada em junkie food O Principe sem energia para acordar a Bela Adormecida...

No final, haverà uma operação plàstica para esta bela princesa
das arabias... Cinderela, bêbeda e solitària...

Com a sèrie "Princesas Decaìdas"a fotografa Dina Goldstein , transporta para os dias de hoje
as heroìnas dos contos de fadas popularizados por Walt Disney.
Como se pode ver , o resultado nào è nada animador...
E viveram felizes para sempre??? Isso è que era bom!
Informação da revista Bravo, de agosto de 2009



terça-feira, 18 de agosto de 2009

A vida è mesmo assim... não vale a pena chorar sobre o leite derramado...

Estou a chegar ao fim do ultimo livro do Chico , e que, para meu gàudio està" abençoado "
por ele...
...."Com o tempo aprendi que o ciume è um sentimento para proclamar de peito aberto, no instante mesmo da sua origem. Porque ao nascer, ele è realmente um sentimento cortês, deve ser logo oferecido à mulher como uma rosa. Senão, no instante seguinte ele se fecha em repolho, e dentro dele todo o mal fermenta. O ciume è então a espècie mais introvertida das invejas, e mordendo-se todo, põe nos outros a culpa da sua feiura.
Sabendo-se desprezìvel, apresenta-se com nomes supostos, e como exemplo cito a minha avò, que conhecia seu ciùme como reumatismo. Contam que ela gania de dor nas juntas, na fazenda na raiz da serra, cada vez que meu avô ia procurar as negras..."
(in paginas 77\78 de leite derramado, de Chico Buarque)
Desculpem problemas ortogràficos, sobretudo na acentuação, mas fora de casa não me entendo com este teclado que me è estranho...)

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Do outro lado do atlantico, um muito obrigada...

A "momentos"fico envergonhadamente reconhecida
pelo premio atribuido "Comprometidos y Mas 2009". Nao sei se mereco tanto, mas è sinal que agrada
de forma a expôr Mar à Vista desta forma.
È sinal que a minha mensagem passa , è partilhada e assimilada no bom sentido do prazer que è divagar a vida , no seu sentido mais lato, na blogosfera, assimilacao nem sempre partilhada por alguns visitantes...
Parabens pelas suas outras escolhas. Ombrear com elas, è duplo prazer.
Nao esperava escrever da "cidade maravilhosa", por onde estou...
(peco desculpa pelas omissoes ortograficas, mas estou num computador de teclado que me è estranho..)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Ausente... até breve

Auséncia, de L. Russo
Tela"surripiada" aqui ao lado a
Riscos e Rabiscos

terça-feira, 11 de agosto de 2009

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Despedida a Sul...

E tudo o que de bom o sul tem, ficou para trás...
À hora da partida não houve vontade de olhar para um passado recente, bom, muito bom!
Veio-me à memória Sophia.

"Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto ao mar"

Uma melodia de sempre e para sempre




Hoje o serão da TV2, foi de excelência.
Biografia muito completa de "uma prima dona", acompanhada do seu belo canto! Maria Callas.
Grande destaque para o seu guarda roupa que sempre me fascinou.
Fotos tiradas quando da exposição "Callas", no Museu da Electricidade, em 2oo8

sábado, 8 de agosto de 2009

Solnado, tal como " o palhaço António, deixáva-nos um sorriso aos pés da escada"

Jamais o esqueceremos !1929 -2009


"Morremos a lutar para nascer. Nunca fomos, nunca somos. Estamos sempre na contingência de vir a ser, separados, desligados sempre. Sempre do lado de fora. (...) Um dia destes, falando com pintor meu conhecido acerca das figuras que Seurat nos deixou, afirmei-lhe que elas se encontravam enraizadas ali mesmo onde ele lhes deu vida - na eternidade. Como me sinto grato por ter vivido com estas figuras de Seurat - na « Grande Jatte», no «Médrano» e fosse onde fosse, em espírito! Não há absolutamente nada de ilusório à volta destas suas criações, cuja realidade é imperecível. Vivem na luz do sol, na harmonia da forma e do ritmo que é melodia pura. E também, de facto, com os palhaços de Rouault, os anjos de Chagall, a escada e a lua de Miró, e todo o seu «zoo» ambulante. Assim também com Max Jacob, que nunca deixou de ser um palhaço - mesmo depois de ter encontrado Deus. Pelo verbo, pela imagem, pelo acto, todas estas abençoadas almas que me fizeram companhia testemunharam e eterna realidade da sua visão. Será nosso, um dia, o seu mundo quotidiano. De facto já é nosso - simplesmente, estamos demasiado empobrecidos para lhe reivindicar a propriedade"


Henry Miller, in Um Sorriso aos pés da Escada :

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Bom fim de semana...

"Um único minuto de reconciliação vale mais do que toda uma vida de amizade."
Gabriel García Márquez in Cem Anos de Solidão

Assim será? Na verdade há minutos de reconciliação inesquecíveis, mas superarão "toda uma vida de amizade?
Aqui fica o desafio... para as vossas memórias, para algum momento mais elevado do pensamento ... num tempo que se quer de lazer.


quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Nós e o mar...







6 de Agosto - Tu e o mar - Dulce Pontes e A. Boccelli

Um destes dias recebi uma bela mensagem vinda do Brasil a" parabenizar"" este cantinho. Nâo conhecia o termo. Achei-o lindo. Hoje, sou eu a usá-lo para PARABENIZAR amigos que nasceram neste dia. Muitos anos de vida e dia feliz.

Se por aqui passarem... reconhecer-se-ão. Assim o espero!

video

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Sabores de Verão...

Foto de Irving Penn, 1960, para a L,Oréal










Foi o tempo das cerejas...
Agora, no campo ou na cidade, frutos silvestres.
As cores da minha roupagem, as cores de algumas memórias.
Saborea-los, sempre !
Simbiose perfeita
ao ouvir AQUI.











domingo, 2 de agosto de 2009

Entre o ontem e o hoje, passaram 80 anos...

José Afonso faria hoje 8o anos.
Ouvir aqui e ler no Politeia
Ouvir, é AQUI.

Agosto, daqui se vai ali...


Enfeitiçada pela fotografia, deixo-vos lentamente , de novo confrontados com a cor e com a pintura. O mês de Agosto levo-o ao "colo" , cuidadosamente, para que se porte bem, tal como o quadro de Maria com o menino, que o seu autor , o pintor brasileiro naif, Ronaldo Mendes me enviou prazeirosamente.
O segundo quadro quero adoptá-lo como metáfora do prazer do convívio entre amigos para onde vou deslizar ao correr do tempo...
E tudo em Agosto!
Bom domingo e vamos andando por aí...





sábado, 1 de agosto de 2009

1 de Agosto, bom fim de semana ou boas férias...

Fotografias de Regina Relang, "dança das luvas",1936

Diz o povo, que casar em Agosto é desgosto.
Mas só pelo gosto ... que ainda tem, é vê-los...
Deixa´-los voar.
Dias felizes.
1º de Agosto, 1º de inverno... e não é que por aqui chove muito!